sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

O GOVERNO E A CP CONTINUAM A ESQUECER O ALGARVE!

CP vai gastar 370 milhões em novos comboios

Obras públicas e finanças autorizaram a compra de 74 unidades para linhas suburbanas e regionais. Concurso será lançado este mês.

A CP recebeu finalmente autorização do Governo para proceder a uma renovação dos seus comboios, obtendo luz verde para comprar 74 novas locomotivas e carruagens de passageiros para circular nas redes metropolitanas de Lisboa e do Porto e no serviço regional, num investimento de 370 milhões de euros.

"Na Linha de Cascais, serão investidos 180 milhões de euros, para a aquisição de 36 unidades, enquanto na linha do Sado, o investimento é de 25 milhões de euros para cinco unidades. O serviço urbano do Porto receberá oito unidades, cujo investimento é de 40 milhões de euros. Para o serviço regional irão 25 unidades, no valor de 125 milhões de euros", adiantou ao Diário Económico Ana Paula Vitorino, secretária de Estado dos Transportes.


Comentário FORUM ALBUFEIRA

O Algarve continua a ser desprezado pelo centralismo, porque este Governo, à semelhança de todos os seus antecessores, para além de continuarem a deixar-nos com o mesmo traçado de linha inaugurado pela realeza, ainda por cima não investe no material circulante mais cómodo e mais rápido.

O serviço ferroviário prestado aos algarvios, em termos de eficiência e utilidade e em termos turísticos, tirando a linha eléctica que liga Faro a Lisboa e que chegou com décadas de atraso, é de todo inútil.

As gerações de deputados algarvios, sempre solicitos para testemunharem este descontentamento, contudo, têm-se submetido aos ditames dos seus chefes de Partidos e não exerceram nenhum tipo de pressão para que pelo menos o assunto fosse discutido e, mesmo a nível das estruturas regionais não mobilizam as populações para demonstrarem por todos os meios democráticos o seu desejo de que se façam investimentos estratégicos num novo traçado feroviário.

Quantas décadas mais vamos ter de esperar?

3 comentários:

ana almeida disse...

Aproveito este post, para vos contar uma decisão espontânea tomada em familia, aquando de uma visita à cidade de Faro, em Dezembro passado.
Como os nossos filhos nunca tinham feito a viagem de comboio até Vila Real de Sto. antónio, resolvemos partir nesta bela e doce aventura que, no ir e voltar durou umas cinco horas.
Eu própria, não fazia tal proeza há tantos anos que não me lembro quantos mas reconheço a delicia do deslizar tranquilo da automotora, que por sorte nossa num trajecto parava em todo o lado, naquelas estações e apeadeiros que mantêm toda as linhas históricas do principio do século passado. Os azulejos e os velhos relógios de estação são imagens do nosso imaginário que nos fazem relembrar as viagens de meninos, na companhia dos nossos pais, para irmos a Aymonte às compras ou à Feira das Angústias, ali para os dias ainda quentes do principio de Setembro.
Deu-me gozo contar as minhas histórias aos meus filhos e foi sem dúvida um dia bem passado.
Este é o lado lúdico desta linha, que de todo não serve a população nas suas deslocações entre localidades. Ninguem pode, nos dias de hoje, gastar tantas horas para ir trabalhar e voltar para casa.
Um facto salta à vista, no traçado da linha algarvia, é que o lado sotavento corre dentro das localidades e no traçado barlaventino está longe da maioria das cidades e não as serve.
Deixando o lado poético e abordando esta matéria do ponto de vista prático, nenhum cidadão pode concordar com tanto abandono e imcompreensão para com o atraso desta infra-estrutura que continua a desempenhar um papel importante nas sociedades modernas.

anónimo de cá disse...

Os comboios do Algarve são históricos, servem para distrair e passear e é por isso que ninguem faz nada, estão a preservar o que é antigo. Ainda não perceberam ?

luis alexandre disse...

Já houve várias tentativas de fazer os privados interessarem-se pela Linha ferroviária do Algarve.
Os estudos de viabilidade foram concerteza feitos mas esbarraram na enormidade de meios que seriam necessários para empreender qualquer projecto de modernização e exploração.
Qualquer interessado do sector privado, exigiria sempre que os investimentos fossem feitos pelo Estado para que estes concorressem à sua exploração, à semelhança do que acontece com as auto-estradas e das linhas que ligam a margem Sul a Lisboa e são exploradas pela Fertagus.
O Projecto comboio com eficiência e comodidade, como instrumento de serviço às populações e turistas, nunca foi agarrado pelas gerações de deputados da Região e das direcções regionais dos principais Partidos.
Esta é mais uma dívida enorme que têm para connosco!
Contudo, como cidadão, e uma vez que perdemos o comboio do aproveitamento dos fundos europeus para a solução deste grave problema estrutural, sou defensor de uma estratégia intermunicipal, que inicie um estudo exaustivo das necessidades e dos possíveis tipos de financiamentos, com vista a projectarem-se vários troços de metros de superfície que sirvam os principais objectivos de desenvolvimento do Algarve.
Este é um projecto que deveria mobilizar todas as forças políticas, sociais e económicas da região, porque o nosso crescimento e sustentação futuras também passam por aqui!
Em Albufeira, acabei de tornar público um documento estratégico para o Concelho, onde e em parceria com os nossos vizinhos, onde defendo esta vertente de transporte ligeiro e que entendo deve vir a estar ligado no médio prazo ao Aeroporto e a um grande cais de navios de cruzeiro, entre outros, que é uma grande lacuna do Algarve.
A localização deste grande porto é um tema que deixo em debate.