segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A PROPÓSITO DE DOIS TEMAS DA ACTUALIDADE ALGARVIA. O AEROPORTO E O COMBOIO.

(intervenção feita noutro blogue acerca dos temas acima referidos)

Numa análise franca e directa às observações do Sr. Pedro Graça e, na qualidade de presidente da ACOSAL (Albufeira), se por um lado considero pertinentes as questões levantadas e a necessidade de serem discutidas, por outro, devemos acrescentar-lhe outros temas que, nas condições específicas da crise económica e financeira actual, assumem uma proporção dramática.

Falo da extensão preocupante da sazonalidade, da inevitável quebra de negócios de época alta e do aumento exponencial das falências e desemprego, que ocorrerão por falta de liquidez das familias em fazerem férias e poderão estender-se por vários anos.

A discussão das soluções para a gestão do Aeroporto e do modelo ferroviário, sendo indispensáveis serem reivindicadas junto do Governo Central, não poderão, no contexto actual, serem dissociadas das restantes.

O Plano proposto pelo Governo para debelar a crise, assente no investimento público em infra-estruturas, aplicado no Algarve, movimenta vários sectores de actividade, terá alguns efeitos no funcionamento da economia regional mas não movimenta e não dá respostas imediatas, que é o que precisamos, no sector da actividade turística e do qual dependem directa e indirectamente a imensa maioria da população.

Precisamos de um reforço do investimento público na divulgação da Região e no apoio urgente às empresas, para a manutenção dos postos de trabalho e evitar, sem ser alarmista, uma catástrofe.


Em primeiro lugar estão as pessoas.

Quanto ao papel das Associações dos diferentes quadrantes da sociedade civil, muitas, as mais representativas dos sectores económicos mais fortes, fazem parte do "status quo", não têm capacidade critica, jogam nos tabuleiros do poder ou da "oposição", consoante as cores dos seus dirigentes e as menos representativas, ou se deixam controlar ou são pura e simplesmente ostracisadas, na maior parte das vezes porque procuram ter ideias e independência de acções.

Não fugindo ao desafio que é lançado, de termos ideias sobre o modelo de gestão do Aeroporto, considero que, sem prejuízo de aperfeiçoamentos, o modelo público tem funcionado e sendo lucrativo, desperta a cobiça dos privados que certamente pressionam o Governo a tomar uma decisão em seu proveito.

Na tragédia ferroviária algarvia, cujo abandono e responsabilidade dos sucessivos Governos é vergonhosa, tendo como cúmplices em vários graus, todos os deputados algarvios, a solução é mais complexa, dada a evolução que este tipo de transporte tem sofrido ao longo dos últimos anos, com a introdução de sistemas de comboios mais ligeiros. O modelo tradicional de comboio, dada a especificidade das zonas a serem servidas, julgo estar ultrapassado.

A extinta AMAL não deu a devida dimensão a este debate, mas a nova Autoridade dos Municípios deve agarrá-la.

Para terminar, reafirmo a minha opinião que vivemos dias conturbados, que não podemos facilitar e é urgente que todas as forças sociais, políticas e económicas ousem por de parte as contradições, que assumem um caracter acessório comparadas com os problemas que nos colocaram pela frente.

Luís Alexandre

5 comentários:

anónimo de cá disse...

O aeroporto é muito importante para o nosso turismo e se não dá prejuizo porque é que querem mudar ? Dos comboios nem vale a pena falar muito porque o que está à vista diz tudo. Ninguem liga se os comboios são uma ajuda ou não mas todos sabemos que não podem dar lucro da maneira como se arrastam.
Estou cem por cento de acordo que é preciso olhar para a crise que pode por o Algarve em muito maus lençois e ser dificil sairmos da situação muito deperessa.
Já se ouve falar de salários em atraso em empresas que vieram de fora e em lojas e restaurantes, já não é só no Hotel Montechoro e a pergunta é: quem vai dar respostas a estes problemaS ? Não se ouviu falar nada até aqui e confesso que estou preocupado.

Anónimo disse...

Penso que o essencial deverá debater as questões que interessam ao cidadão comum e essas passam pelo seu dia a dia em com fazer face a tantas dificuldades, quer pela falta de liquidez, desemprego, fraco negócio, carga fiscal, concorrência, etc.Quer o governo central, quer as autarquias deveriam colocar os seus recursos ao serviço da população e não ao seu próprio serviço afim de ganhar eleições, como se verefica pelo boletim da camara municipal de Albufeira que anuncia imensas obras a começar em Janeiro e a terminarem quase todas no mês da eleições.Então o que andaram a fazer estes três anos?Precisamos de uma força exterior a estes senhores para que possamos colocar a cidade ao serviço dos cidadãos e não o inverso.

rosaria m. disse...

Não me vou pronunciar sobre o Aeroporto, por desconhecer a matéria, embora saiba que no Porto existe polémica à volta de quem e como deve ser gerido o Aeroporto Sá Carneiro. Prefiro ouvir primeiro.
Sobre os comboios do algarve, penso que estamos todos de acordo que não servem a população. Nem em tempos de viagens, nem em horários, nem em coforto e nem em distâncias das estações às localidades.
Penso que são uma imagem do passado longinquo e só servem para atracção turistica, porque esses têm tempo para desfrutarem.
Estou do lado, do luis alexandre, quando diz que o comboio tradicional já não satisfaz e tem de ser equacionado em moldes modernos e de conjugação das necessidades das populações e tambem dos turistas.
Faz muita falta o debate que traga alterações e que haja envolvimento dos políticos do algarve.

Anónimo disse...

Apesar das reformas efectuadas, a linha ferroviária para o Algarve continua obsoleta. as obras vieram atrazadas no mínimo déz anos.
Grave é de facto da situação económica em geral, e nalguns empresários em particular.
Com a queda do Turismo prevista para 2009, Albufeira vai inevitavelmente sofrer as consequências, e chega a ser obsceno as festarolas e espectáculos promovidos pela Câmara, como se fossem agentes de animação, com o dinheiro dos contribuintes, quando quase todos já estão a penar, pagando contribuições elevadas.
O que este executivo fêz de obra em 8 anos?
Por favor apontem, para que não digam que nós só sabemos dizer mal??
Nem sequer um polo da Escola de Hotelaria existe na cidade mais turística do Algarve, para fazer formação!
Esta Câmara NÃO FEZ NADA!
Esta Câmara não tem gente competente!!
Depois de tantas esperanças depositadas no voto neste PSD, acabamos por verificar que ainda são piores que os do PS.
E estes, onde estão???
No mínimo, Arsénio Catuna ainda deixou os projectos que estes senhores do PSD estão agora a executar, depois de terem gerido um Pólis com uma incompetência vergonhosa.
Agora que vão chegar as eleições, tudo aparece como por milagre.
É TEMPO DE DESMASCARAR ESTA GENTINHA!!
Façam como os professores.....

Xico do Páteo

Anónimo disse...

Mosse Debe o comboio anda devagar como as cabeças deles a pensarem e param em todas os apeadeiros para falarem com os amigos.