quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

CURSO DE MEDICINA DO ALGARVE. O EIXO DO DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR PASSA AO LADO DE ALBUFEIRA!

Ualg contesta Ordem dos Médicos
joaoguerreiro.jpg
Ver Galeria

05-02-2009 0:43:00

A Reitoria da Universidade do Algarve reagiu à posição da Ordem dos Médicos (OM) sobre as condições de acesso ao curso de medicina e “estranha que a Ordem se pronuncie de forma tão ligeira”.

A Reitoria da Ualg, em nota enviada às redacções, sublinha que “foram já objecto de avaliação pela Comissão Científica Internacional" os aspectos agora criticados pela Ordem.

Em causa, os critérios de selecção, que os representantes dos médicos consideram “importação de métodos de ensino de países com uma cultura distinta da portuguesa”.

Porém, no seu parecer, a Comissão Científica Internacional chega mesmo a referir ser a proposta da Universidade do Algarve para o curso "um novo paradigma do ensino da medicina em Portugal, capaz de aumentar a qualidade geral do sistema ao definir novos métodos", salienta a nota da UAlg.

Já no que se refere à apreciação da OM sobre as dificuldades de selecção do corpo docente, “estranha” a Reitoria do Algarve que aquele organismo de classe “desconhecendo o processo de contratação em curso, bem como o âmbito de colaboração acordada com a Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Lisboa, se pronuncie de forma tão ligeira”.

In Observatório do Algarve


Comentário:

A presença em Faro, na já prestigiada Universidade do Algarve, de mais este curso de Medicina, para além das polémicas transitórias, é um reconhecimento público do trabalho científico e da capacidade dinâmica em procurar servir a Região preparando quadros altamente qualificados.

Albufeira, inequívocamente, continua a passar ao lado das grandes decisões do Ensino de elevada qualidade e mesmo da formação intermédia e profissional.

Várias localidades do Algarve, desfrutam da influência positiva proveniente da implantação quer de Universiddes Privadas ou extensôes da UALG.

Para além dos benefícios económicos, a presença na vida social de pessoas de elevada qualificação e conhecimentos científicos, são uma mais valia com repercussões valiosas e duradouras.

Sendo o Concelho de Albufeira, o maior na oferta turística e em tempo de emprego, nunca qualquer Executivo camarário, saíu da visão curta e mostrou qualquer apetência e deu os passos necessários para que aqui fosse instalada uma oferta de Ensino Superior, não só na área do Turismo e Hotelaria, mas também nas Linguas.

Teria as virtudes de fixar os nossos jovens e traria outros para se qualificarem e fixarem, dando uma nova dimensão à qualidade de serviços prestados.

Albufeira, gradualmente, cresceria em ideias e inovação e a confrontação salutar abriria caminhos e métodos estruturais de nova geração.

Outros ganhos, seriam os de combater a má impressão que a cidade transmite, de ser leviana e só servir para lazer e copos, como se introduziriam novos estímulos no aproveitamento escolar do Concelho, que todos sabemos ser baixo e existir muito abandono precoce, que se procura esconder.


Luis Alexandre

membro do FORUM ALBUFEIRA

8 comentários:

antonio maria disse...

Esta ideia pode muito ajudar a vencer a sazonalidade e por mais pessoas a circularem pelo centro e pelo resto da cidade, até com a ideia dos bares dos estudantes e das semanas académicas e outras actividades de caracter cientifico.

Anónimo disse...

A introdução das linguas é uma novidade e faz sentido num concelho turistico. A reivindicação de escolas Superiores já se escutou entre a população mais instruida e seria um grande impulsionamento da cidade.
Mas vale a abordagem e insistência embora nada demova este executivo que até tem fama de trabalhar bem com o ensino. Fica aqui um pouco desmitificado essa mentira e basta falar com professores para saberem o que realmente se passa nas escolas do concelho.
A violência verbal e a "outra" devem ser alvo de muita atenção mas faz-se passar a ideia das escolas idilicas de Albufeira.

professor

firmino disse...

Também concordo que o ensino superior e o profissional, trariam melhores condições à cidade.
Se vierem para aqui pessoas de outro calibre vai ajudar a melhorar o nivel das conversas, vão discutir maneiras de trabalhar mais adequadas e os clientes saem a ganhar.
Há muito tempo que deviamos ter cá uma escola só para as actividades da hotelaria, esses tinham formação e emprego e podem transmitir outras ideias aos filhos e vai melhorando assim a vida social da cidade.

Anónimo disse...

Conheci este Fórum recentemente, concordo em 97% com tudo, mas que me desculpem aquilo que euvou dizer, mas existe vida para além de Albufeira e a sua baixa, a crise é só lá... Raramente vejo aqui falar de outros locais pertencentes ao conselho de albufeira... Açoteias, Olhos d'Agua, Paderne, Ferreiras... já pensaram que a crise também terá chegado ao lá para os lados das Açoteias... Falésia... já pensaram ou já viram o que são aqueles locais por estes meses de Novembro a Março???
Desafio o Administrador deste fórum a pensar nesses locais e olhar...

eu mesma a m disse...

É certo que fazia falta explorar, Albufeira noutras áreas, mas concordo com o comentário anterior, que tal descentralizar... 1 Escola de linguas ali para os lados da Branqueira aproveitando as antigas casas do Vale Navio para residências de Estudantes, uma escola profissional na antiga casa das Faiscas sabem onde e?? akilo está abandonado á anos..., por exemplo um centro de estágios em condições ali para os lados das Açoteias aproveitando a antiga pista de atletismo, e que tal uma escola profissional de agricultura com cursos de agricultura e jardinagem...

Anónimo disse...

É verdade que albufeira tem mesmo má fama lá fora, que aqui a malta é toda baldas e copofonia e depois o que se ouve de faltas às escolas e adolescentes grávidas fazem o resto. E curioso é que com todos estes sarilhos diz-se por aí que é nas escolas que a Cãmara faz ainda trabalho. A escola de profissoes até podia ajudar muito a encarreirar muita malta nova que não gosta de carregar livros quanto mais perder tempo a l~e-los.

carlos

anónimo de cá disse...

Benvindo sr. anónimo das 14.28 de 5 de Fevereiro. Mais uma voza juntar-se aos comentadores que aqui vêm desinteressadamente.
Eu já dei algumas informações pelos canais e leio aqui que todos podem fazê-lo que só vem dar mais um empurrão. Vamos mudar albufeira.

Marta Guerreiro - professora disse...

Que enrolada que está a educação em Albufeira.
O melhor concelho do país para se viver?? Pois... E para se estudar, e mais?? E que mais??? QUE ANEDOTA!

Albufeira tem problemas gravíssimos e só os conhece quem está dentro das escolas e quem lida com eles todos os dias!

Há alunos que vêm com fome para as aulas, e não é por se terem esquecido de comer! Há falta de tudo um pouco e em especial de boa vontade, de espírito de equipa e de organização.

Mas, o mais grave não é o do staff, mas o problema social que afecta os que entram pela sala e que se propaga a todos e que altera, que deturpa ensurdecedoramente a função principal das escolas: ensinar, lançar em carreiras futuras: académicas e profissionais.

A violência é esmagadora, o barulho ensurdecedor, a (des)educação familiar atroz e entorpecedora de qualquer sublime tentativa daquele que era outrora o respeitado educador: o professor.
Em casa reina o desânimo, a falta de emprego,o desalento, a desmotivação - CARGA por demais pesada que a criança, o adolescente carrega nos seus ombros para a sala de aulas.

Albufeira, o melhor concelho??
Para se estudar não é certamente!

Quanto a saídas, ou se fica pelo 10º/11º ano mal acabado, ou se voa para longe.
É dificil, de facto, perceber porque razão nenhum executivo se debateu por uma escola de hotelaria ou por polos universitários em Albufeira, de qualquer área do saber!!?
As iniciativas ou ideias que têm surgido morrem antes sequer de se tornarem pequenos fetos... ficam lamentavelmente amarfanhadas nas gavetas da burocracia albufeirense... ... ...