quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

POESIA

TRABALHADOR DOS ANOS 60


Tempos nascidos de fins
Madrugadas que se repetem
Entrecortadas por arrepios
Da bucha esforçada
Pelos caminhos de rachar frio
Homens sem sonhos correndo
Não se sabe de onde as forças
Alimentados na dignidade
Deixando para trás
O choro, o tecto
O pão partido em quatro
O café preto
No toque de reunião
A família que ali se partia
Entre os livros da escola
À máquina ensurdecedora
Com paga do labor
Dos dias sem fim
Os mil reis que tapavam
A alegria da dor.


O por do sol
Que se atrasava
Os pensamentos sem fim
Para a hora que se aproxima
Pisar as voltas do caminho
Na esquina do balcão
Sai um tinto do melhor
De coragem para a tristeza
Um ensaio de abraço quente
Todos juntos outra vez
No abrigo humilde do casebre
O resto do pão na mesa chama
Molhado na sopa quente do coração
Saltam os gritos do gaiato
Tive um bom na escola
Faz o momento diferente
Dá um pouco de sabor
As dores do amanhã não morrem
Nem a ignorância trava o saber
Que mesmo pobres temos valor.


Uns atrás dos outros
Os dias que existimos
Beijam a pureza, as lágrimas
Da alma esquartejada
Esquecemos o soldo
Que de curto fazemos grande
O mal que nos fazem
Não importa os golpes
Aquecidos em família
Que o sangue vai jorrar
Para sarar a verdade da luta
Lembrando o companheiro que cai
Voltamos ao lar
Da humidade doentia
Vencida pela força
Do testemunho que passa
Rompe a voz de calor
De regenerada esperança
Que deixamos gente boa
Criada com muito amor.

José Estêvão

8 comentários:

Anónimo disse...

???????????? q coisa fora do contexto... e sem qualquer significado. deviam ter vergonha de por esta cena no Natal.
francamente!

Anónimo disse...

nem todos têm o seu natal em dezembro...e gosto do poema tem relaçaõ com os dias que atrvessamos de fome e de falata de dinheiro...

carlos

Anónimo disse...

Parabens pelo poema!
Quem não gostar mude de direcção e vá para o albufeira sempre ou para o site da cãmara que SE COMPLETAM.

CARLOS ANTONIO SILVEIRA

O Engenheiro disse...

Sr Carlos, quando aqui chegarem ao nível e classe do Albufeira Sempre mande-me um mail que cá estarei!

CAÇA CROMOS disse...

Assino por baixo do comentário do companheiro que está acima. Que dor de cotovelo pelo homem.
Ai, ai, Carlos, ou António ou Felismina ou Catarina. Assinas com tantos nomes. Arranja um e fica-te por esse, ou é algum distúrbio mental? Bipolaridade talvez?

Anónimo disse...

Classe num blog só encontro no Algarve Reporter,o resto é,assim,assim pró fracote.

Anónimo disse...

O Algarve Repórter? loool
Posts enormes e salvo uma ou outra excepção não têm ponta por onde se lhes pegue. E o blog é confuso com excesso de informação com muitos salamaleques e mariquices. E relógios, e mapinhas e links, e bonecos. E montes de links que não funcionam. E fotos despropositadas.

Anónimo disse...

de facto tenho visto muita coisa ruim...mas os voluntários da tva tv albufeira online, tem cativado a população pela informação cultural positiva e independente...tenho aberto o site todos os dias e está muito bem feito com informações uteis e concisas...
já agora envio o link www.tvalbufeira.com
josé maria - olhos d'agua