quarta-feira, 29 de abril de 2009

CRÓNICAS DE MANUEL AIRES.

O DESEMPREGO ALASTRA

O País tem muitas vulnerabilidades e nos conturbados tempos de crise que mergulha o mundo à beira do precipício, as chagas são mais salientes, não sendo mais possível esconder a miséria que grassa por toda a parte e abrange mais de dois milhões de pobres, que já o eram há anos, mas quando as estatísticas estiverem actualizadas esse numero irá para os 4 milhões, em virtude dos mais de 600 mil desempregados e 1 milhão de recibos verdes, colocando os patrões portugueses como os piores pagadores do planeta, numa exploração desenfreada que nem nos tempos do fascismo era visível. Não admira que o Belmiro de Azevedo venha cantar loas ao 25 de Abril, ele que há 35 anos era um insignificante empregado do banqueiro Pinto de Magalhães, hoje está cotado no rol dos mais 100 ricos da União Europeia, assim como o corticeiro Amorim e mais meia duzia de fortunas completamente incontroláveis pelo fisco e por governantes que lhes dão protecção e são seus serventuários. E tudo isto foi erguido nos últimos 30 anos em nome das liberdades, da democracia e do pluralismo, arruinando e destruindo a classe média.

Nada disto para o cronista é surpreendente, visto escrever sobre estes temas ao longo dos últimos 4 anos, num jornal local de Albufeira, quando alguns diziam que estava a exagerar nos tons críticos construtivos que escrevia. Infelizmente, de exagero nada tinham, porque a realidade ultrapassa de longe o estado a que tudo isto chegou e a região algarvia não foge a esta apagada e vil tristeza, apesar de alguns arautos quererem meter-nos os dedos nos olhos, ao vender ao País, o Algarve como uma região rica, prospera, tranquila, segura, e sem as dificuldades sentidas nas outras regiões de Portugal. Nada mais errado é o que revelam os numeros registados nos Centros de Emprego, “ a região lidera no desemprego com 20 987 desempregados inscritos só no mês de Março de 2009, aumentando 55,2% em relação ao mês de Março de 2008”. Quando se pretendia vender a região algarvia como um oásis, sabíamos que era pura mentira, pois vivemos aqui desde 1986 e com caracter permanente desde o ano de 2000, com residência em Silves, Albufeira, Faro e Tavira, por motivos profissionais. Em todos estes concelhos conhecemos bem a pobreza envergonhada que nos fala Macário Correia, em relação a Faro capital do Distrito. A cidade de Faro, “ é o concelho do Algarve com mais barracas a servir de habitação a pobres famílias. As crianças e os idosos de Faro se não fosse o enorme esforço das IPSS teriam ainda uma vida mais complicada ”. E Macário Correia para além disto diz muito mais no seu manifesto eleitoral com que se apresenta ao eleitorado farense para tentar inverter esta triste situação e recuperar a Câmara.

Apesar de tudo, Faro, não é uma ilha de desgraça neste Algarve, dito rico, turístico, moderno e sofisticado, como alguns faziam crer, vendendo pelo mundo fora, aproveitando-se dos dinheiros públicos das autarquias para esbanjar em viagens para tudo quanto é capital europeia, dos Palops, das Américas, Asia e Oceania, futebois, festas de arromba, mega excursões, carregando dezenas de familiares e amigos, num forrobodó interminável, sem prestar contas a ninguém, humilhando, perseguindo e prejudicando todos aqueles que não fazem parte dos apaniguados, enfim, um nunca mais acabar de “crimes” e violências que é preciso pôr termo no período eleitoral que aí vem, denunciando com verdade, provas e argumentos serenos, dando uma contribuição fundamental para eliminar a chaga social que nos fala Macário Correia, que conhece como ninguém a região.

Quando nos anos sessenta do século XX, os ingleses começaram a “colonizar” o Algarve, criando uma nova industria a que se chama turismo, destruíram-se todas as estruturas autotones da agricultura, do comércio, das industrias conserveiras e outras, da construção civil, artesanato, artes e oficios, tudo amassado em nome da nova galinha dos ovos de oiro, e o resultado aí está, com cifras de desemprego percentuais de aumento estimado em 55,2%, enquanto a média nacional é de 23,8%. Afinal, a industria turística hoteleira, contribui mais do que os outros sectores de actividade para o aumento desenfreado do desemprego e o mais grave é que são os três concelhos mais ricos – Portimão, Loulé e Albufeira, aqueles onde se verifica um maior numero de desempregados. E o que diziam os autarcas destes concelhos, ainda há poucos meses, que nos seus domínios era o paraíso na terra, onde havia mais hipóteses de trabalho, melhores remunerações e até escassez de mão de obra.

Afinal, outros concelhos mais pobres, como Vila Real de Santo António e Alcoutim são melhor administrados, procurando atenuar o desemprego com pequenas empreitadas municipais, tal como já o tinham feito com as operações oftalmológicas às cataratas dos idosos pobres, de que foram pioneiros no envio à caribenha ilha de Cuba, de onde centenas vieram a ver uma realidade luminosa que há muito não enchergavam. Isto é que é o verdadeiro apoio social que já vem de longe e não surge agora em momento eleitoral, como outros demagogicamente o procuram fazer. O que fez o rico concelho de Albufeira nestas e noutras áreas sociais ? Para além do foguetório de fim de ano, das vernissagens, dos artistas de cordel, das “tias de Cascais” e de outros locais nacionais, notando-se uma total falta de solidariedade para com os mais carenciados. E os pobres, Senhor ?

MANUEL AIRES

manuel.j.c.aires@gmail.com

20 comentários:

Anónimo disse...

Meus Amigos:

Estou grato pela esquerda inteligente que temos em Albufeira.
Continuem assim!
Contem comigo para mais 4 anos.
Sempre inteligentes!!
Porque dos burros já reza muita história.

Desidério Jorge Silva

(às vossas órdens)

Anónimo disse...

Para ser sincero, gosto do seu artigo, menos da parte em que elogia um tal Macário Cavaco Silva, que é apresentado com um homem especial no meio da desgraça algarvia. Nada mais inverdadeiro por tudo o que não feito dentro da organização máximo dos municipios algarvios. Na hora do assalto a Faro, vale tudo para mais se mostrar, falando das desgraças de outros concelhos quando ele era o chefe de todos e não abriu a boca e se a abriu só entrou mosca.
Sobre Albufeira disse tudo verdade, e muito pouco foi feito pelas áreas sociais e não é só de agora. Os governantes como só se dão com os ricos e vão muito a hoteis de 5 estrelas, ficam com as cabeças toldadas e dizem que tudo vai bem. Quando vão aos balies dos velhotes dizem que a autarquia está com eles e querem é fugir depressa porque desconfiam que a pobreza tem contagio. No Real santa Eulalia as horas passam depressa e nos bailes os minutos depois dos discursos nunca mais passam. O sr. Desiderio já foi ao centro de saúde ? já foi ao centro de emprego ? já perguntou como estão os negocios ? já perguntou quantos alunos têm fome ? Quantos vão passar o ano ? quantas meninas engravidaram no ano escolar ? quantas pessoas foram assaltadas este inverno ?
Perguntei e não me vão responder. E sobre a polemica do sr. David, não gosto de meninos que não partem um prato,
por trás são sempre sonsos.

Anónimo disse...

É bom não esquecer que o Dr. Manuel Aires é filiado no Partido do Desidério e do Macário Cavaco Silva como diz o anónimo que me antecede, só que o Dr. Manuel Aires é um verdadeiro social democrata do centro esquerda, enquanto Desidérios e Macários são de direita e até da direita reaccionária que até ultrapassam os militantes do CDS. Como se vê nos Partidos coabitam várias facções uns mais à esquerda outros mais à direita, uns são honestos e outros desonestos, e nestes dois campos do PSD, dum lado honesto estão os Manueis Aires e do desonesto os Desidérios e os Macários, mas os que sigram são os desonestos porque vendem a alma ao DIABO/Dinheiro e são eles os escolhidos para se candidatar ao Parlamento, às Camaras e tudo quanto é tacho. Algum dia será diferente quando as novas gerações tomarem o poder e se orientem porque não têm outro remédio a escolher as pessoas pelo mérito, unica forma se sobrevivência porque já há muito pouco para roubar e a fome começa a apertar. Quanto ao parvalhão anónimo que assina com o nome de desidério jorge silva, esse só merece desprezo. Afinal o Dr. Aires, não se amedronta e não se desvia do seu rumo de grande honestidade intelectual e politica. Obrigado pelo que escreve e incomoda os poderosos que vivem apavorados embora queiram parecer que estão de consciência tranquila.

Fátima Albufeira

antonio maria disse...

Obrigado dr. Manuel Aires pelo que escreveu com verdade e sentimento.Se todos os políticos fossem assim sinceros, viviamos no paraíso mas para mal dos nossos pecados vivemos no inferno e isto quer dizer que temos de nos livrar dos politicos que andam á nossa volta.
Estamos a ver o País a ir para o fundo,vêm aí 3 eleições e os politicos já esfregam as mãos de contentes pela oportunidade de espalharem as suas mentiras. Ás vezes dou comigo a pensar se esta gente não sente prazer em enganar-nos. Estas pessoas meteram na cabeça que fazem falta e que a vida lhes sorri e eu digo até um dia, porque tenho a sensação de que não falta muito para darmos a volta a tanta desgraça.

luis alexandre disse...

O desemprego alastra pelo País e atinge a Região algarvia de forma violenta.

Albufeira, o tal da grande qualidade de vida, também está mergulhado neste duro flagelo, com números impressionantes que podem ultrapassar já as 3000 pessoas.

O período sazonal de maior intensidade de actividade teve o tiro de partida, como sempre, na Páscoa, e os empresários não fizeram a habitual contratação de preparação.

Os maus resultados da Páscoa, foram um péssimo indicador e prenunciam pouca absorção de desemprego.

O emprego que se vier a concretizar, vai ser por um período mais curto e sujeito a valores mais baixos de rendimento.

Está criado um cenário negro para a economia do Concelho, com muitas famílias sem proventos e muitos negócios em situação de dificuldades para cumprirem as suas responsabilidades.

Os Programas do Governo para os empresários do micro e pequeno negócio não respondem às necessidades bem como não chegam a todos os desempregados.

O Executivo camarário, contando com o silêncio cúmplice do PS, que ainda se mantém, só depois de pressionado é que resolveu criar algumas medidas de apoio aos municípes. Para os empresários isentou-os da irrisória taxa de publicidade, que tem pouco peso no orçamento camarário e das empresas, e autorizou o pagamento da factura da água (também sem grande expressão para a imensa maioria das empresas) em fracções.

O fraco impacto destas medidas será analisado na entrada do próximo inverno, em que uma previsível má campanha de Verão, poderá aumentar a visibilidade da degradação da situação de vida de muitos milhares de cidadãos, não só reformados, idosos, desempregados, como também empresários.

Um cenário de pobreza acrescida, é um factor desestabilizador da vida do Concelho, que se não tiver novas e melhores respostas atempadas, poderá gerar mais e maiores conflitos.

rosária m. disse...

Hoje dou um pouco mais de atenção ao Forum porque me interesso pelos temas.
Desemprego? Falências? Pobreza?
Quem se admira?
Eu não e muitos portugueses também não!
O Governo diz que a crise não foi criada por ele? A grande não mas a criada por ele sim!
Então o BPN dá o berro público em Setembro e todos sabemos agora que o Constâncio sabia e não disse nada?
E se o Constâncio sabe, o Sócrates e o ministro das Finanças também sabem. Ou o homem não presta contas a ninguém?
O Sócrates entra duro nas eleições passadas prometendo 150.000 empregos e acaba pondo na rua mais 800.000. Porra, que pontaria! E a culpa é da América que andou a brincar ao dinheiro e não que os tesos de Portugal estão lá metidos com o dinheiro de todos nós? E o Sócrates não sabia nem aquele senhor de Boliqueime que dizem que é economista dos bons. Não são é bons portugueses, porque exercem os cargos para americano ver e ganhar!
Nos últimos meses andam à luta, cada um no seu poleiro, um recomenda que se faça sem dizer o quê e o outro diz que faz como entende melhor.
E tudo vai caindo, sem que nenhum faça ou saiba o que deve fazer.
E este povo velho, com oitocentos anos, não aprendeu a lição?

Anónimo disse...

Um dos grandes males dos portugueses é avalaiarem-se por baixo.
A pressão constante que têm baixa cultura e pouca capacidade de perceber os assuntos, reduz-lhes a confiança e abre as portas ao facilitismo intelectual oportunista dos que mandam, falam bonito e sem vergonha de darem os ditos por não ditos.
Quando um homem ou mulher tem trabalho, ameaçam-no que se não produzir vai para a rua e fazem um monte de Leis, para que saiba que se não trabalha e não sai a bem por interesse do patrão, sai a mal e leva com a Lei em cima.
Se o desgraçado ou desgraçada está no desemprego, recebe só uma parte do salário, quando tem os requesitos para receber, dura 3 anos e depois com a idade que tem fica a cuidar das galinhas, se as tiver.
Esta ideia das galinhas, ou outros animais, incluindo humanos, não vem a despropósito, porque o Estado podia comprar mesmo as galinhas e dá-las a criar até chegarem ao mercado de consumo, para serem vendidas e pagar os farelos mais o pão com azeitonas do guardador.
Há quem diga que este é um modelo da China mas tenho dúvidas se não o podemos exportar para a Europa e América.
Como o Engº Sócrates não tem ideias e só faz promessas que atrapalham o Governo que tambem não sabe como resolver os problemas, esta podia ser uma ideia, ao menos é portuguesa.
A ideia do TGV e do Aeroporto não são portuguesas, são para serem feitas em Portugal mas fico com a impressão que andam grandes companhias, tipo Freeport, interessadas nas obras e não se importam de dividir à cabeça os lucros. E um dos argumentos, com a mobilidade, é empregar uma data de desempregados para fazerem as obras. Muitos funcionários das autarquias que estão para levar o chuto já estão a pedir fichas de inscrição para as obras. Os licenseados que os pais gastaram o que tinham e não tinham para fazerem um curso e só no fim é que lhes dizem que só dá para trabalhar para um amigo de todos os Governos, de seu nome Belmiro de Azevedo.
As brincadeiras que escrevi são para descomprimir a sorte que se abateu sobre a familia em que estamos os dois desempregados e não nos chamam nem para as limpezas dos Cavacos. E nem o passeio dos tristes tenho para ir tentar uma cavala e com sorte um robalo, sempre dava para uma sopa da semana.

Anónimo disse...

Se votarem nos COMUNISTAS podem ter a certeza que isto muda mesmo, porque os poderosos do bloco central e companhia é da unica coisa que t~em medo e afinal quem defende os trabalhadores são os comunistas são eles que põem na rua 200 000 trabalhadores, 150 000 professores, é a CGTP que desfralda as bandeiras, estejam atentos amanhão ao 1º de Maio para ver onde está a força do trabalho, a defesa dos desempregados, dos velhos das crianças das mulheres de todos os fracos que só se lembram deles para lhe roubar os votos nas eleições. Afinal dêem uma oportunidade aos COMUNISTAS, eles ainda não governaram desde que foi imposto este regime. Votem com convicção na esquerda everão que eles do poder ficam acagaçados, a arma é o voto do povo.
Joana de Freitas

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Mosse Debe disse...

Mosse Debe toma conta que em outubro os desempregados dão te é com as laranjas na cabeça e mais não sei o quê.

Anónimo disse...

votar nos Comunistas é uma boa ideia mas na UNICA vez que votei num comunista, porque simpatizo com o homem, e outras pessoas fizeram o mesmo, o Homem até foi eleito vereador mas depois tornou-se em mais um vereador do PS para aprovar tudo, com algumas polémicas á mistura.
COMO È QUE FICAMOS????
assim é dificil.

Anónimo disse...

então o Luizinho Alexandrezinho já apaga os comentáriozinhos???

Bem se vê que era tudo basófia e que lhe faltam-lhe os tomates!!!

Anónimo disse...

Votem nos Comunistas sim... Viva a Democracia deles, como se viu ainda agora em qualquer Telejornal. A democracia a cuspir e esmurrar quem é de outras forças partidárias (embora independente) e porque já esteve do lado deles. é o velho ditado, não estas comigo, estás contra mim.

Anónimo disse...

quem pede para votar nos comunistas não se deve lembrar quando o Romeu no tempo do Xufre era vereador e que proibiu a ocupação da via publica pelas lojas em Albufeira, só os bares e restaurantes é que podiam pôr eaplanadas na rua, ó meu Sr. vá-se tratar que pode ser que ainda haja remédio para a sua doença

FORUM ALBUFEIRA disse...

Dado o espírito aberto que até aqui tem caracterizado a abertura deste espaço de opinião e não de notícias, às participações dos leitores, algum ou alguns oportunistas adoptaram a táctica da confusão que lhes vai na cabeça, e vêm insinuar que a administração do blogue eliminou comentários.

Qualquer cidadão ponderado que acompanhe este blogue, percebeu com certeza, o estilo provocatório deste tipo de acções, que pretendem lançar a confusão e reflectem o temor que as nossas intervenções provocam nas fileiras daqueles que sempre comandaram e vêm matando a imagem deste Concelho.

O FORUM ALBUFEIRA, reserva para si o direito de condicionar os comentários indecentes, quando o entender oportuno.

Anónimo disse...

E acho muito bem. Discordar sim, mas sem ofender.

Anónimo disse...

Os apoiantes do Desidério e companhia davideana estão muito nervosos, vão até para os Comicios da CGTP no dia do Trabalhador provocar os trabalhadores e depois ainda têm a lata de se armarem em vitimas. Foram buscar lã (votos), mas ficaram tosqueados desmascarados)
Isabel Soares

Anónimo disse...

O dr. Manuel Aires tem muito prestigio em Albufeira e se vier a candidatar-se a camara de albufeira, o que eu duvido, terá um resultado historico, pelo que convido o desidério a levar a sério os adversários para não ter uma surpresa.
Filomena Mónica

Anónimo disse...

Afinal os maldizentes adeptos do Desidério e David ou seja os DD, já se cansaram de dizer mal, daí os termos vencido pela persistência pela verdade pela razão, e agora é preciso bate-los nas urnas nas eleições autarquicas que ai vêm lá para setembro ou outubro, tanto faz!

Joana D´arc