quinta-feira, 11 de junho de 2009

E AGORA PORTUGUESES, O QUE FAZER COM A VOSSA FORÇA?


Fechadas as urnas e feitas as declarações, o curioso deste acto foi ter protagonizado o expectável, em cima da derrota do Partido do Governo, todos se considerarem vencedores.
As eleições, que de europeias tiveram o nome, com uma abstenção na casa dos 63% (6.109.784 indivíduos) e uns expressivos 4,63% de votos nulos (164.829 indivíduos), saldaram-se por uma derrota generalizada das políticas e propostas dos Partidos da conjuntura, independentemente, dos votos saltarem de um lado para o outro.
Se os resultados entre eles, representam um reposicionamento do eleitorado, condenando o Partido do Governo e as suas práticas de direita e atentatórias dos interesses da esmagadora maioria da população, os mais de seis milhões de portugueses que rejeitaram o voto mais aqueles que fizeram questão de se deslocar para pôr o papel em branco, condenaram em toda a linha, como têm vindo repetidamente a fazê-lo, não só a incapacidade do Governo mas de todos os órgãos representativos da democracia parlamentar.
A arrogância e o programa socratista, suportados pela maioria absoluta, foram vencidos pelo descontentamento generalizado dos portugueses, tal como no passado o povo derrotou a maioria cavaquista pelas mesmas razões.
Nestas eleições discutiu-se a política caseira, trocaram-se galhardetes, BPN e Freeport não foram esquecidos, a crise financeira internacional foi comummente considerada a principal responsável pelo actual momento da vida do País, mas as responsabilidades das persistentes políticas e ditames vindos de Bruxelas, de destruição da iniciativa e capacidade produtiva dos portugueses e a falta de estratégias económicas e sociais de resposta às necessidades da imensa maioria dos mais desfavorecidos, não mereceram qualquer condenação ou formulação de propostas.
O trabalho eleitoral centrou-se na conquista do poder nacional, sem que houvesse vontade para aprofundar a discussão sobre qual o nosso papel na UE e que interesses devem ser discutidos naquele palco, em favor de Portugal.
Neste momento difícil da economia europeia e mundial, o que afecta o povo português, afecta os outros povos pelo que estas eleições foram um grande acto de hipocrisia dos mandantes europeus e nacionais, que tudo fizeram para que não fossem discutidas as responsabilidades das autoridades políticas e financeiras que alimentaram e esconderam os factores especulativos que nos conduziram há mais grave crise do pós-guerra e cujos efeitos estão muito longe de estarem circunscritos, quanto mais resolvidos.
Os povos podem não ser muito esclarecidos, mas sabem que não têm dinheiro nem emprego e que os responsáveis não têm as soluções, bem como começaram por acudir ao sistema financeiro com o nosso dinheiro, deixando muitos milhões de trabalhadores numa situação de quase desespero.
No cenário nacional, a um desnorte do Governo e ineficácia das suas políticas, com um agravamento considerável das condições de vida da população e do tecido económico que a suporta, a oposição, que nada fez para ajudar a promover a discussão e envolvimento dos interessados, limita-se a atirar foguetes e a posicionar-se para a disputa do bolo do poder.
Todos subiram os votos à custa do falhanço do PS. O PSD entrou numa alegria incontida e inesperada, o BE e CDS, como Partidos bolsas ou muletas que são, de reserva do descontentamento em dados momentos como este ou de apoio ao poder noutros (tal como a defunta UDP), exultam, a CDU também sorri com a sua sorte bolsista dentro do sistema capitalista, enfim, todos cantaram hossanas de quem é primeiro, segundo e terceiro, mas o povo, esse, continua em último e mergulhado nos seus problemas.
Concluindo, as políticas e a economia liberais passaram este teste pós-Setembro, a UE pode prosseguir tranquilamente o seu caminho, que tirando essa coisa das pessoas não terem ido maciçamente às urnas, os Partidos controlaram bem as massas e puseram-nas a jeito para a continuação do pagamento das despesas do banquete.
Os portugueses são de brandos costumes mas não se fiem na vossa verborreia…

Luis Alexandre

5 comentários:

jesimões disse...

Uma análise global muito bem feita, pese embora a pouca indulgência para com a estratégia da esquerda "institucional"...
Um abraço
JES

Anónimo disse...

Ó Luis vê lá se em vez de venderes piripiri fosse jogador de futebol valias muito menos que o Ronaldo

Anónimo disse...

A verdade deve incomodar muita gente e você tem de ter cuidado com os maiorais da terra, que nunca perdoam.
O PSD não está de boa saúde e não se recomenda e o que dizer dos outros que nem se fazem ouvir?
O meu receio é que tanto imobilismo, volte a repôr o mesmo filme.

professor

Anónimo disse...

O PROBLEMA DO GORVERNO FOI MEXER COM OS OS LOBIS INSTALADOS (FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS,MÉDICOS,TRIBUNAIS,FARMACÊUTICOS,AGRICULTORES,PROFESSORES ETC.)E O POVO QUE SEMPRE RECLAMOU DOS MESMOS ,AGORA RECLAMA DA ARROGÂNCIA DE SÓCRATES, AFINAL O HOMEM É PRESO POR TER CÃO E POR NÃO TER.AFINAL EM QUE FICAMOS?

Anónimo disse...

O problema do governo não foram os lobis mas a falta de habilidade e a arrogancia do primeiro ministro que pensa e quer levar tudo á frenet. Socrates sonhou e queria que todos fossem sonhadores mas só a malta do Ps é que vai atrás sem pensar.