sábado, 28 de fevereiro de 2009

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO ALGARVE EMBARGA OBRAS DA ENTRADA DA CIDADE! A CMA AO SEU NÍVEL!


um turista distraído ainda pode pensar que são as obras do metro...


O FORUM ALBUFEIRA, recebeu a informação de intenções deste organismo na quarta-feira passada e fotografou as obras na quinta-feira. Em cima do acontecimento.

Soubemos que a nossa distinta Câmara, na pressa de mostrar mais obra eleitoral, nem procedeu ao cumprimento de todos os requisitos legais, como um estudo de impacte ambiental que deveria ser aprovado pela Administração da Região Hidrogáfica do Algarve (ARH).

Na realidade, já muitos habitantes que passavam ao lado das obras levantavam dúvidas sobre o encanamento de mais uma ou duas centenas de metros da linha de ribeira, sem que haja uma intervenção global na mesma, necessidade que já havia sido levantada pela Associação Ambientalista Almargem, junto do Executivo, no anterior mandato e que recebeu como resposta o reconhecimento da sua importância e a promessa de que seria realizada proximamente.

O estilo desleixado deste Executivo, já evidenciado nas obras Polis e nos parques de estacionamento, voltou a vir ao de cima, não dando um bom exemplo para a comunidade, quanto ao cumprimento das Leis.

Esta ribeira, que atravessa a cidade de forma subterrânea, tem sido um problema tratado de forma leviana, apesar dos amargos de boca que tem dado, sem contudo terem ocorrido chuvas diluvianas, possíveis em qualquer momento e que terão efeitos devastadores na baixa da cidade.

Afinal quem falhou desta vez? Os serviços técnicos da Câmara ou a parte política, o seu Executivo. E o que pensa a Assembleia Municipal destes acontecimentos?


FORUM ALBUFEIRA

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

PARTICIPA NO ABAIXO ASSINADO PARA RECLAMAR ESTACIONAMENTOS PARA O VERÃO!

ABAIXO ASSINADO

Tendo em conta que a época turística se aproxima e os parques de estacionamento só agora começaram, a perda de umas centenas de lugares na Páscoa já são um problema e maior será no Verão.

Em face desta necessidade de haver estacionamentos reclamamos do Executivo camarário que crie as condições para a existência de alternativas que podem passar pela disponibilização de pelo menos um piso de cada um dos parques.

Comerciantes e Moradores da Baixa


Comentário:

O FORUM ALBUFEIRA, solidariza-se com a iniciativa, considera-a oportuna e inteiramente justa, na medida em que as promessas não cumpridas por outros e sobretudo pelo actual Executivo, ferem de morte a actividade económica dos agentes da baixa da cidade, bem como os seus moradores.

Este Executivo e o Gabinete Polis, começaram a casa pelo telhado e feriram de morte os negócios do centro da cidade, ao fecharem ruas, eliminando centenas de lugares de estacionamento, sem que tivessem construído os parques que prometeram.

Esta forma de conduzir a política da Autarquia, descurando as suas responsabilidades e prejudicando conscientemente as forças económicas e a população, é absolutamente condenável.


FORUM ALBUFEIRA

QUEREMOS ESTACIONAMENTOS PARA O VERÃO!




Os estacionamentos são por aqui, diz o homem.
Não os estacionamentos são por ali, diz a sombra
Os estacionamentos prometidos não existem diz o Forum Albufeira!



Ao fim de trinta anos de promessas, lá para as portas das Eleições Autárquicas, o presidente da Câmara tem tudo planeado para uma das inaugurações mais mediáticas e que o coloca ao nível dos heróis.

É de facto uma proeza, se nos abstrairmos dos discursos de três eleições para trás.

O presidente prometeu, o Polis ia fazer, a empresa construtora roeu a corda e as promessas ficaram penduradas.

Quiseram os céus e o bom senso do Executivo camarário, decidir-se pela construção do parque de estacionamento da Av. Da Liberdade, desenbolsando o nosso dinheiro, para oferecer à população e à actividade económica, esta tão ansiada boa nova.

Todos os nossos pedidos de anos, o desespero de anos, todos os prejuízos de anos, vão ser esquecidos porque a Câmara Municipal não descansou enquanto não conseguiu lançar esta obra.

A ACOSAL, não precisava insistir tanto, porque tudo estava debaixo de controlo. Insistir enerva e prejudica os bons pensamentos e a tranquilidade com que tudo deve ser feito.

O que é real, é que a obra começou, e devemos estar contentes mesmo que o calendário sirva mais a Câmara do que os comerciantes e a população.

No passado tinha sido planeado começar em Outubro para acabar antes da Páscoa. Os projectos são assim, podem falhar.

Todos estamos agora preocupados com a falta dos 200 lugares de estacionamento oferecidos pelos terrenos de areia, no período pascal esta situação vai ser uma dor de cabeça, a falta deles no período do Verão causam-nos arrepios, mas contamos com mais uma dose de bom senso do Executivo camarário, na solução destes problemas.

Neste ano de crise que merece uma atenção mais cuidada e para quem já esperou e desesperou para receber esta dádiva, porque é de uma dádiva terrena que se trata, o Executivo tudo irá fazer, sem eleitoralismos (isso nunca lhes passou pela cabeça), para corresponder às nossas expectativas.

Setembro vai ser uma festa, porque o parque de estacionamento tardou mas vai chegar.

Falta saber é em que estado a população e os comerciantes vão lá chegar. A população muito desconfortada e pelos indicadores que vêm de muito antes da propalada crise que está a servir de desculpa para tudo por parte dos políticos da ordem, os comerciantes, restauração e serviços, de certeza que com menos receitas e mais endividados, para uns e em descanso eterno (falência) para outros.

Naquela altura não sabemos se haverá disposição para levarmos bandeirinhas , como nas inaugurações salazaristas.

FORUM ALBUFEIRA

A QUESTÃO DOS 10 MILHÕES PARA A EMPRESA” IRMÃOS CAVACOS SA” AINDA MEXE!



fotografia adf

A Comissão nomeada pela Assembleia Municipal, para analisar a pretensão de um reforço de 10 milhões de euros, pedido pela Empresa “Irmãos Cavacos SA”, a pretexto do crescimento da cidade e das novas áreas de intervenção, está prestes a subir as suas propostas para nova discussão.

A contratação de qualquer empresa para este tipo de serviços à comunidade, passa pela realização de um Concurso Público, o que na realidade aconteceu há quase 4 anos atrás.

Tal concurso, ganho por oposição a outras empresas, estabeleceu um prazo contratual de oito anos de vigência o que não se verifica em mais nenhum Município do País, que os fazem por um ou dois anos, com o objectivo de controlar a qualidade do serviço prestado e evitar a conflitualidade.

Imprudentemente, o Executivo da Câmara Municipal de Albufeira, ao estabelecer um Contrato tão longo, pôs-se a jeito para este tipo de exigências, que deveriam estar contempladas nos seus pressupostos.

Não o fez e ainda por cima aprovou sem hesitações, a pretensão da Empresa Cavacos e quando a decisão baixou à Assembleia não contavam com as denúncias públicas do FORUM ALBUFEIRA, que condicionaram a sua aprovação e levaram à criação da referida Comissão de análise.

O argumento base do crescimento da cidade e das zonas a limpar é perigoso e não pode legitimar nem a importância nem os processos. Daqui a 3 anos, ainda antes de acabar o Contrato, esta Empresa recorre aos mesmos argumentos e às mesmas exigências e o Executivo volta a aprovar?

Na realidade, este Contrato, foi planeado para vigorar tantos anos como as intenções de permanência do PSD no poder, o que para além de levantar dúvidas quanto à sua legitimidade, levanta questões de ética.

A Comissão, nas suas sugestões, não pode ignorar as questões apresentadas nem defraudar os interesses e dinheiros da comunidade!

FORUM ALBUFEIRA

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

COMO SE PARTE E BARALHA PARA FAZERMOS QUE JOGO?

Ao
FORUM ALBUFEIRA
agradecíamos a publicação da seguinte nota da Direcção
sobre a sessão de esclarecimento que se realiza hoje, pelas 17 horas
no Salão Nobre da Câmara Municipal de Albufeira



De uma ideia que partiu da ACOSAL, foi discutida e apoiada pelo presidente da ARESTA, para a realização de uma ampla reunião de empresários das micro e pequenas empresas do Concelho, no sentido de serem esclarecidas as possibilidades de recorrermos aos instrumentos legais ao nosso dispor, o MODCOM e o PME INVESTE III, que poderia e deveria passar pelo apoio da Câmara, eis que esta, a partir não do nosso contacto mas sim de um do IAPMEI que estava em lista de espera, aparece públicamente a convocá-la em exclusivo.

A vantagem desta estratégia para a Câmara, é a de fazer passar a mensagem de que está preocupada com os problemas dos empresários, e tem de estar, porque foi ela que criou a maior parte dos estrangulamentos das nossas actividades e a vantagem para as Associações, ao ficarmos de fora, é a de podermos reclamar os apoios imediatos, já avançados públicamente pela ACOSAL e entregue sob a forma de moção ao presidente da Assembleia Municipal.

Os modelos acima citados de pretenso apoio aos empresários, no actual contexto socio-económico, deixam de fora a imensa maioria das empresas, que se têm de apresentar imaculadas perante as instituições do Estado e a Banca.

Daí que, a ACOSAL tenha defendido a sua reformulação de critérios para se poderem aplicar com realismo à situação concreta dos milhares de micro empresas que são o sustento de muitos trabalhadores e famílias. Sem o alargamento dos critérios, a sessão de hoje será só de propaganda, uma vez que os promotores sabem da pouca adesão das empresas aos mesmos... o que na realidade não é falta de adesão, mas sim incapacidade de cumprirem os requesitos.

A ACOSAL, aproveitando a benção do Executivo da Câmara, vai solicitar desta um conjunto de medidas concretas, de carácter imediato, que podem contribuir para o equilibrio financeiro das micro e pequenas empresas do Concelho e passam pela redução ou isenção de taxas e impostos da sua jurisdição.

Hoje temos um cenário difícil, mas depois do Verão as condições serão bem piores à luz dos indicadores económicos que prevêem um ano turístico em queda de visitantes e dinheiro para gastarem.

Como mais vale prevenir do que remediar, aqui fica o aviso!


A Direcção da ACOSAL



Comentário:

Desde a primeira hora e tendo merecido profunda discussão no seu seio, que o Forum apoiou a iniciativa da ACOSAL, bem como defende que para além das medidas dirigidas aos empresários têm de ser tomadas outras, dirigidas às familias e aos desempregados do Concelho, que sabemos serem muitos a reclamar ajudas nas instituições, que não têm os meios necessários para os resolver.

Hoje realiza-se uma Assembleia Municipal, no Pavilhão das Ferreiras, pelas 21.30 horas e o FORUM ALBUFEIRA sabe, que para além da moção da ACOSAL que não tem efeitos práticos nestes órgãos, a CDU vai apresentar uma proposta de medidas de apoio aos sectores e pessoas carenciadas da população.

Vamos aguardar pelas posições que vão ser tomadas neste Órgão Municipal, que é soberano e tem enormes responsabilidades.


FORUM ALBUFEIRA

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

CAVAQUEIRA SOCRÁTICA COM A FLOR DAS LARANJEIRAS, ONDE TAMBÉM SE FALA DO MILAGRE DAS ROSAS

Ora sente-se lá na cadeirinha, Excelência…

Está confortável?

Descontraia-se, então.

Diga-me uma coisa, só por curiosidade:

-Vosselência não estava habituada a ter contraditores, pois não?

(Não, não me refiro a esses “opositores”, que em vez de o contraditarem, até lhe têm feito “la vie en rose”…)

Não me julgue mal, mas creio que sempre os teve, contraditores…

Vê aqueles ali? Pois lamento dizer-lhe que não estão consigo, não se iluda: estão com o Poder. É o Poder que os atrai, e não o grau de qualidade do seu desempenho executivo. Negócios, negócios, políticas à parte…

E aqueles além? Sim, é verdade que quem cala consente, mas olhe que consentimento não é a mesma coisa que agrado… Sabe o motivo do seu silêncio? Têm medo, é verdade, receio de se manifestarem, porque o jardim é pequenino e acreditam que é melhor não pisarem a relva, para não serem multados… Vivem à sombra da laranjeira, com o bico calado, mas cá para mim não apreciam o pomar. Volta e meia olham para o canteiro das rosas e, discretamente, sempre em silêncio, lá vão eles regá-las… Sim, são eles que lhes dão água, porque pelo trabalho dos jardineiros desse lado do jardim, as rosas continuavam murchas…

Isto a vida, meu caro, não é um mar de rosas… Dir-me-á, com toda a propriedade, que com essas rosas pode Vossência bem. Pois tenho visto que sim! Aqui para nós, Vossa Senhoria lembra-se até, certamente, de quando as rosas não cheiravam a rosas… Acho que apodreceram no canteiro, qualquer coisa assim… Que falta de cuidado!

Mas, não se ria, Distintíssimo Líder. É certo que esse facto lhe permitiu a si chegar onde está, mas olhe que as suas laranjas, têm uma acentuada tendência para azedar… Deve ser do estrume, aliás, do adubo natural…

O problema, Elevadíssimo Executor, é quando a rapaziada que fornece a água para a rega, descobrir que o jardim tem roseiras e laranjeiras só para ornamentar… Vai ser um problema, sabe, porque esta gente vai ser capaz de tudo, quando se perceber ludibriada: o mais certo é quererem fazer-lhes a poda. Perdoar-me-á Vossa Excelência a ousadia, mas, por este andar, acredite que poderá converter-se em algo, semântica e factualmente, ainda pior.


José Simões

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

RAZÕES PARA O DECLÍNIO DE ALBUFEIRA.

foto "Algarve Reporter"

O apregoado crescimento da cidade de Albufeira, sendo real, não tem, contudo as leituras que a propaganda oficial espalha aos quatro ventos.

Pretende-se dar uma imagem para o exterior, onde se joga inegavelmente o prestígio de qualquer cidade e dos seus responsáveis políticos, de destino turístico de qualidade, dotado dos valores, dos métodos de organização e das infra-estruturas que a reflictam.

A partir do ponto zero, o agregado harmonioso da velha vila, o primeiro impacto desenvolvimentista, cimentou logo uma estratégia de exploração turística intensiva e de ocupação dos solos sem regras, como o podem testemunhar a massa de betão que circunda a baixa da cidade para o lado nascente.

Dado o primeiro passo nesta direcção todos os outros seguiram esta estratégia com as aparentes vantagens de financiamento da Autarquia.

A linha de costa, outrora embelezada pelos pinhais, é o exemplo dramático da desorganização e da destruição de um património natural, tudo feito em nome de um elevado interesse da população.

Convencidos os dirigentes da cidade, à população bastava acenar com empregos a preços nunca sonhados e com dinheiro para se apoderarem do casario da população pobre. Começou a destruição e nunca mais parou.

Mesmo havendo hoje um conjunto de instrumentos jurídicos e quadros financeiros de apoio à reconstrução e preservação dos núcleos antigos, nenhum Executivo da Câmara de Albufeira os accionou, o que é o mesmo que dizer: continuem a comprar e façam o que quiserem.

Os anos passam e Albufeira está mutilada. A este assalto dos especuladores apoiados pelos políticos, apenas escapou Paderne. A Guia vive do frango piri-piri e juntamente com as Ferreiras, são dois dormitórios em expansão e sem as necessárias infra-estruturas a condizer com o crescimento. Os Olhos de Água e os Salgados, são dois desastres ambientais de dispendiosa recuperação.

O muito dinheiro arrecadado pela Câmara com a construção e o seu rendimento anual tem desaparecido, a destruição de muitas áreas está consumada, o caos urbanístico não pára, com urbanizações atrás umas das outras, sem nexo e sem as vias largas para a fluidez do trânsito, a cidade tem pouca cultura e conhecimento, é conhecida por um local de diversão onde o ruído e o ordenamento estão à deriva, a confusão do trânsito no Verão e a falta de estacionamentos são uma imagem de marca e as praias da frente da cidade nunca tiveram bandeira azul.

Estes são sinais preocupantes e definem uma má administração do Concelho.

Quanto mais tempo sobreviverá Albufeira a toda esta pressão de efeitos negativos?

Um sinal de desnorte estratégico, foi a maneira como as grandes superfícies afundaram as duas principais centralidades , a baixa e a zona das Areias/Sá carneiro, onde a loucura da ocupação chinesa são um evidente sinal de desagregação e empobrecimento.

A falta de investimentos e infra-estruturação estratégica, que é consciente, para atrair investidores em iniciativas de qualidade, reflectem as vistas curtas e o oportunismo das ideias que nos têm governado.

Com esta política, a principal centralidade do Concelho está nos arredores da Guia, cuja concentração de grandes espaços chamam muitos milhares de pessoas que não põem os pés na cidade.

Em muitos anos, não foi apontada uma ideia de projecto central, em torno do qual se desenvolvam outros projectos subsidiários que concorram par a vitalidade dos negócios turísticos que são a base do funcionamento da cidade, criadores de riqueza e de emprego com regalias e poder aquisitivo.

O betão foi quem mais ordenou, os Executivos apoiaram, o dinheiro gerado fugiu e não foi reinvestido e nós herdámos uma cidade fantasma, que alimenta os cofres da Câmara mas não alimenta quem aqui vive, investe e trabalha.

Luis Alexandre



(com a devida vénia, decidimos transportar este comentário para a primeira página, apesar de ter sido publicado no "política à moda de albufeira".

Comentário:


Anónimo antonio cerdeira disse...

O presidente Desidério tem o dinheiro, não é dele mas é como se fosse e faz o que todos os outros fazem pelo País, usam-no em seu proveito.

Com dinheiro, muito dinheiro dá-se a volta às cabeças dos eleitores que em Albufeira já provaram que são benevolentes e gostam de ser enganados.

Até um tosco como o Desidério consegue reinar, mesmo deixando muitas das necessidades básicas sem soluções.

Em qualquer outro País civilizado, todo o desperdício de dinheiro e de resultados, teriam gerado uma tal polémica, que os seus autores não teriam outro saída a não ser demitirem-se. Em Albufeira, como no resto do País, os possíveis arguídos, não só fogem às responsabilidades como são capazes de exaltar os seus bons propósitos.

Mais do que brandos costumes e eu sou um português diferente, isto revela estupidez. A mesma que está pronta para lhes dar o voto, só porque o homem é boa pessoa, isto é, tem muita habilidade para se apresentar como bom católico (as hipocrisias e maldades não se vêem, logo não se sentem) e que está perto de todos, disposto a ouvir, embora não faça nada do que lhe pediram. O homem tem-se dado bem com os pequenos truques, levaram o PSD ao poder e neste tempo, não se destacou ninguém em especial, porque a obediência ao líder, abafa toda a expressão à sua volta.

É outro fenómeno típico de Albufeira, que as gestões sejam exercidas na condescendência dos senhores de outros interesses e que lhes interessa o descanso e as vantagens da sombra.

Se alguém cair, cai o homem do rosto visível e os interesses que lhe estão por trás podem sempre recolocar-se e prosseguirem o caminho. O dinheiro comanda e não gosta de publicidade, ao contário do presidente Desidério, que é um poço de vaidade e de ridículo.

O homem tem servido, o estilo tem servido e a da Lei veio colocar a preparação da continuidade da farsa. Quem vai ser o novo homem forte, depende da evolução dos acontecimentos e de quem vier a candidatar-se às próximas eleições, que os estrategos já perceberam, vão ser bem diferentes do que esperariam há dois anos.

A "Algarve Mais", há dois anos vaticinava a vitória folgada do presidente da sua eleição mas, distraída com os negócios da noite, pode não ter dado conta das mudanças que são visíveis na sociedade albufeirense.

Muitos amigos, controlando o tempo e as práticas, subiram os níveis de preocupação e olham com apreensão o futuro. E não é pela crise, atrás da qual se vão esconder a maioria dos políticos nos próximos actos eleitorais.

Admite-se uma perda real de qualidade de natureza descontrolada. A cidade não está agarrada e o que é conhecido em termos de ideias vindas do poder, não são convincentes nem apontam saídas.

O capital não gosta de incertezas, quer medidas, que lhe sirvam, como é óbvio.

Os dias passam e os apoios de hoje podem não ser os de amanhã. Ninguém dê nada como certo e o capital em Albufeira, já provou que está com a cor e as pessoas que lhe servem. Para bom entendedor...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

PORTUGAL TAMBÉM ESTÁ LÁ EM CIMA GRAÇAS...

SESSÃO PARA EMPRESÁRIOS SOBRE MODCOM E PME III. COMPARECE.



Na próxima quinta-feira, dia 26, pelas 17 horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Albufeira, vai realizar-se uma sessão de esclarecimento promovida pela ARESTA e ACOSAL, com o apoio da Câmara e dirigida a todos os empresários do Comércio, Restauração e Bebidas e Serviços.

O objectivo da sessão, é para a apresentação dos instrumentos de financiamento estatal, o MODCOM e o PME III, que ficará a cargo de técnicos do IAPMEI e da GLOBALGARVE.

Todos os empresários estão convidados a participar, dada a importância que estes instrumentos de apoio podem desempenhar na modernização e valorização dos negócios, como forma de ajudar a enfrentar a grava crise que atravessamos.

TODOS À REUNIÃO!

domingo, 22 de fevereiro de 2009

O CARNAVAL EM ALBUFEIRA SÃO 362 DIAS E A VIDA REAL 3!




O Carnaval de Torres Vedras voltou ao normal... o de Paderne nunca saíu! O rei é o mesmo, o pajem é que é diferente!




"Que ideia a de que no Carnaval as pessoas se mascaram. No Carnaval desmascaram-se.

Virgilio Ferreira, escritor português (1916-1996)

INsegurança ...ALBUFEIRA TAMBÉM NÃO RESISTE... à INsegurança!


ladrões e polícias andam desencontrados...


INsegurança, nem os shoppings resistem...

Gang ataca Almada Fórum com cocktails molotov

O silêncio da madrugada no Almada Fórum foi ontem quebrado pela invasão armada de um gang de Leste. Já passava das 05h00 quando irrompeu pelo centro comercial da Margem Sul pronto a furar qualquer sistema de segurança. Determinados e sempre de cara tapada, os seis imigrantes de origem romena roubaram em escassos minutos milhares de euros da ourivesaria Boutique dos Relógios e, à saída, lançaram aos seguranças do Fórum cocktails molotov – garrafas de refrigerantes com líquido inflamável em chamas. in Correio da Manhã


Não foi noticiado, mas o Shopping Algarve também foi assaltado há uns bons dias atrás e o curioso está no alvo do assalto: a Boutique dos relógios.
Os assaltantes, tanto quanto nos contaram, iludiram a segurança, usaram uma carrinha para se "abastecerem" e escaparam-se sem recurso à violência.
As razões para ocultar o sucedido não são o mais importante. O aumento substâncial dos assaltos, os locais escolhidos (shoppings, finanças, bombas de gasolina e hotéis) e a sua espectacularidade é que são uma preocupação dado a população não conhecer as medidas preventivas que foram tomadas, se é que foram...


FORUM ALBUFEIRA

política à moda de albufeira (39)




"I put a spell on you" (enfeiticei-te)


O tempo corre, as eleições aproximam-se e a NomenKlatura não dá sinais de mudança de hábitos.

O povo que espere pelas novidades, pelos candidatos e pelas suas brilhantes propostas, que são o papel químico de outras de um passado recente.

Tudo está a ser jogado nos bastidores, porque o povo está a ficar de olho muito aberto para o gosto dos políticos da nossa praça. Para eles, o povo só tem de votar e não fazer perguntas.

Os Partidos que dominaram os destinos de Albufeira até aos dias de hoje, não se sentem muito confortáveis com a corrente de opiniões que contestam as políticas seguidas, os seus maus resultados e os impactos futuros.

Começa a nascer em Albufeira, uma nova corrente de ideias e pessoas que lhe dão forma, que rejeitam os processos do passado e as pessoas que os executaram.

A classe política, dividida entre os clãs PS e PSD mas que nos últimos 12 anos agiram como uma irmandade, começa a estar nervosa e a duvidar das suas capacidades e homens de mão.

O PS fez mudanças de topo e o PSD está num silêncio sepulcral.

O tabu Desidério Silva é um problema difícil de resolver nas fileiras laranja. Entre a vontade de abandonar e a falta de um substituto à altura, está o dilema de uma família que aproveita as benesses do controle da actividade social e económica do Concelho e a sua perda pode lançar o desânimo nas bases e o pânico nalguns dirigentes e quadros destacados.

NO PS, a mudança gerida intestinamente, deu um rosto novo mas não convenceu a família que esteve até aqui na crista da onda. Há um chefe, afilhado do Sócrates e da sua política, considerado um mal menor, mas os lugares de destaque, que não quer saber de políticas a não ser as que reconhecem úteis para eles, são disputados olho por olho e dente por dente.

Este é um espectáculo que se repete de eleição em eleição, nos cantos das sedes, onde os interesses da população e os problemas do País são meras retóricas de obrigação.

O circo está a ser montado e os espectáculos seguem dentro de momentos, para mais do mesmo.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

MAIS VALE PREVENIR QUE REMEDIAR

  • O alerta de D. José Policarpo, sobre os casamentos inter religiosos pode originar uma tragédia que nem Alá tem solução para o problema sobretudo se for entre uma mulher católica apostólica, romana, nascida na civilização ocidental, com um muçulmano, um judeu, um indu ou qualquer outra religião de perfil dogmático, afirmada numa ortodoxia puramente inflexivel nos actos litúrgicos e nos costumes que tiram drasticamente a liberdade ao cônjuge do sexo feminino, agravado, caso a vivencia permanente seja no País do oriente do cônjuge masculino. Ora, o cardeal Patriarca de Lisboa, limitou-se, e bem, a constatar um facto que ele conhece perfeitamente dos inúmeros casos que lhe têm sido manifestados pelos actores de tais casamentos e suas famílias que desesperadamente pedem auxilio para uma libertação tardia, devido a se ter acreditado no amor, no interesse material ou diversa situação encontrada para embarcar no barco da paixão e rumar para terras da Arabia, do Irão, do Japão ou do Preste João, nas asas do cupido cor de rosa.

Assim como estas prisões sentimentais fracassam, o mesmo acontece com a vila/cidade de Albufeira ao ficar refém do actual executivo da Câmara Municipal, acreditando nas suas promessas de progresso, liberdade, igualdade e fraternidade, acabando ao fim de 8 anos de mandato por um razoável fiasco alicerçado num rol de mentiras politicas, económicas e sociais. Os cidadãos albufeirenses vivem hoje pior do que viviam em 2001. Têm menos riqueza, menos cultura, menos saúde, menos protecção social, porque se apostou no trivial, das realizações desportivas profissionais de craques do pontapé na bola, em mega concertos de artistas estrangeiros em fim de estação e opulentas manifestações de populismo bacoco, de passagens de ano megalómanas, quando se vive uma crise económica mundial de cariz ganancioso, fraudulento e criminoso que obriga os Estados a pagar com dinheiro dos contribuintes todas estas megalomanias do sistema capitalista, que nos largos tempos de prosperidade meteu ao bolso os fabulosos ganhos especulativos.

O que a CM de Albufeira não fez, em 7 anos, não o fará agora em 9 meses que faltam para terminar o 2º mandato e novas eleições se realizarão lá para os idos de Outubro de 2009, estando na hora de prestar contas e não de derramar mais 24 milhões de euros em obras discutíveis, atribuindo 14 milhões de euros à rede viária, que há muito devia estar concluída e mais 10 milhões de euros em construção de edifícios, mamarrachos de cimento armado, quando existe falta de habitação social e ausência de infraestruturas industriais, comerciais, artesanais e de requalificação urbanística que proteja os pequenos e médios comerciantes que todos os dias são obrigados a fechar as portas porque já não auferem receita para pagar as despesas mais primárias. O que se não fez em 7 anos não é possível fazer agora e chorar lágrimas de crocodilo sobre o leite derramado, porque dinheiro é coisa que nunca faltou ao Município de Albufeira, faltou foi capacidade de o gastar nas actividades lucrativas para a população do Concelho expressas em condições de investimento nas empresas que criem emprego sustentado de longo prazo, melhorando o sector sanitário e agrícola, apostando nos jovens e nos desempregados de longa duração. São estes índices que dariam outro rosto ao pequeno Concelho e não obras de fachada como fazem os governantes em fim dos mandatos.

Quem está no poleiro tem sempre aquele desabafo, afirmando que é mais fácil criticar do que fazer. É verdade! Mas, é certo que quem está no poleiro já teve tempo demais e fez pouco. Quem está no poleiro não quer de lá sair e dar oportunidade a quem critica, para demonstrar que sabe, pode e faz melhor. Quem está no poleiro, está grudado, não faz nada de graça, é altamente pago para produzir, mas leva a maior parte do tempo em festas, romarias, viagens por todo o Mundo e de lés a lés no País, e ainda, se apresentam como uns desgraçadinhos que mal têm vagar para comer e estar com a família. Coitados, são uns sacrificados, embora a realidade seja muito diferente, pois quando assumem os lugares vão com uma mão à frente e outra atrás, mas quando saem ao cabo de 4, 8 ou 12 anos têm um património bastante acrescido e pasme-se uma choruda reforma milionária num País onde as medíocres elites, não são exemplo para ninguém.

Será excelente que os ateus, os crentes, os católicos e todos aqueles que adquiriram capacidade eleitoral para votar, sigam o conselho de D. José Policarpo, não “casando/votando” em políticos que já mostraram que valem pouco. Que nada fizeram para melhorar as condições de vida dos albufeirenses, neste Algarve de industria turística, mas que no centro de Faro e outras cidades estão pejadas de bairros de lata, onde não há água potável, saneamento básico, habitação condigna e uma total falta de solidariedade para com os algarvios mais carenciados. Com a crise no auge, todos os dias vão para o desemprego milhares de trabalhadores e o Algarve em Albufeira não são excepção, enquanto os excedentes financeiros dos Municípios podiam ser melhor aplicados.

MANUEL AIRES

manuel.j.c.aires@gmail.com

http://manueldecastroverde.blogspot.com

SESSÃO PARA EMPRESÁRIOS, SOBRE MODCOM E PME III. COMPARECE!



Na próxima quinta-feira, dia 26, pelas 17 horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Albufeira, vai realizar-se uma sessão de esclarecimento promovida pela ARESTA e ACOSAL, com o apoio da Câmara e dirigida a todos os empresários do Comércio, Restauração e Bebidas e Serviços.

O objectivo da sessão, é para a apresentação dos instrumentos de financiamento estatal, o MODCOM e o PME III, que ficará a cargo de técnicos do IAPMEI e da GLOBALGARVE.

Todos os empresários estão convidados a participar, dada a importância que estes instrumentos de apoio podem desempenhar na modernização e valorização dos negócios, como forma de ajudar a enfrentar a grava crise que atravessamos.

TODOS À REUNIÃO!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

AVISO E AJUDA AOS CONSUMIDORES


NÃO SÃO NEGÓCIOS DA CHINA, SÃO EM PORTUGAL!

A designada "contribuição áudio-visual" destina-se ao financiamento das actividades de serviço público (ai ai ai que serviço...) em rádio e televisão do Estado Português, de acordo com o estabelecido pela Lei nº 30/2003 e alterada pelo decreto-Lei nº169-A/2005, de 03 de Outubro.

Em 01/01/2009 o seu valor mensal é de € 1,75, ao qual acresce o Imposto sobre o Valor Acrescentado à taxa de 5%, o que resulta num encargo mensal para o cidadão pagante e contribuinte de € 1,84 (com arredondamento ao cêntimo...)
Em termos anuais, são € 21,00 que o estado arrecada de "contribuição áudio-visual" aos quais, não satisfeito, acrescenta € 1,08 de IVA...
Esta "contribuição áudio-visual" é cobrada aos cidadãos-consumidores através
da factura da electricidade (discutível, muito discutível...)
Porém, se o cidadão-consumidor tiver consumido menos do que 400 KWh de energia no ano anterior, pode solicitar a isenção do pagamento da designada "contribuição"...
Se andar muito ocupado a trabalhar para alimentar esta corja, e se lhe passar que tem que fazer o pedido de isenção, continua imávido e sereno a pagar...
Por que raio a aplicação informática de facturação da EDP não faz isto automáticamente? É assim tão complicado? Não é! O que existe é vontade de furtar este dinheiro.
Se existirem 5 milhões de locais de facturação em Portugal, só de IVA anual nos cofres do Estado são € 5.400.000,00 (cinco milhões e quatrocentos mil euros)... e a contribuiçãozinha são cerca de € 105.000.000 (cento e cinco milhões de euros).
O Zé Povinho não aguenta tanto dinheiro mal gerido, que lhe sai do coiro e da algibeira, para alimentar um Estado despesista.

Não é necessário estar a gastar dinheiro a enviar faxes para a EDP. basta ligar para o atendimento comercial 808505505 (chamada com custo local) e pedir a isenção.

MUSEU DO BARROCAL. PROMESSA NÃO CUMPRIDA ESCONDE-SE ATRÁS DO NOME DE SIZA VIEIRA!

uma casa histórica a merecer uma acção histórica. Siza Vieira vai fazer um bom trabalho e dignificar Albufeira. O resto é que deixa a desejar...


O Presidente-candidato, Desidério Silva, altamente interessado em manter a família laranja nos comandos do Executivo camarário, recorre, como todos os outros pelo País fora, a todos os meios para esconder a sua inoperância e a falta de um projecto estratégico para o desenvolvimento do Concelho.


Um dos meios mais usuais é usar todo o tipo de imprensa, onde possa penetrar para veicular a sua campanha de propaganda. Há dias distribuiu uma nota prometendo 100 hectares de verdes e em quatro anos fez 2. Agora, cavalga o nome sonante do arquitecto Siza Vieira, para anunciar o Museu do Barrocal, em Paderne.

O Museu foi ideia de uma sua vereadora, entretanto afastada desta vereação, foi prometida para este mandato em curso, mas não foi executada!

Para abafar mais este falhanço, cuja promessa é renovada para o próximo mandato e para os próximos orçamentos, o presidente Desidério socorre-se do nome do arquitecto, em mais uma manobra para induzir os munícipes a pensarem, de que foi preciso esperar ou negociar para ter tão ilustre nome ligado ao projecto.

O arquitecto é alheio a este tipo de manobras como pessoa limpa de processos e usa-se o valor do seu trabalho, de forma a servir de desculpas para o imcumprimento de uma promessa.


FORUM ALBUFEIRA

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

CENTRO HISTÓRICO VIVO OU A SUA DESTRUIÇÃO?




uma casa com história e peça importante na interpretação turística da nossa cultura


O FORUM ALBUFEIRA, já manifestou publicamente as suas opiniões sobre a necessidade de preservarmos o património arquitectónico da velha vila, como estratégia de sustentação da actividade turística e da qual depende a imensa maioria da população do Concelho.

Para além dos edifícios públicos que fizeram a História de Albufeira, há que ter em atenção a preservação dos edifícios particulares, de traça imponente ou humilde, que caracterizam os costumes antigos e a sua identidade.

A casa de estilo senhorial, que mostramos nas imagens e situada na Rua José Bernardino de Sousa, a cair sobre a falésia, esteve à venda e tem consumada a sua transacção.

Pela localização e área, não duvidamos do interesse comercial que possíveis especuladores podem ver naquele edifício, que é mais uma das memórias vivas das vivências de outros tempos e que não queremos ver destruída.

Fica o alerta para mais um perigo que paira sobre o aglomerado Histórico e vamo-nos manter atentos a todos os passos, para impedirmos que a sofreguidão especulativa e irracional não continue a sua saga protegida de mutilação de uma vila que outrora encantou muita gente de todo o mundo.

Vamos estar atentos, para vermos quem vai tentar pôr a assinatura!

Enquanto não temos um projecto para declaração do Centro Histórico, que trava em definitivo as destruições, este edifício deve ser declarado património municipal!


FORUM ALBUFEIRA

BOAS NOTICIAS PARA O TURISMO A MÉDIO PRAZO!

Um "novo" aeroporto de Faro


Aeroporto de Faro - fotografia de Luís Rosa

Mário Lino apresentou obras de ampliação do aeroporto de Faro
O aeroporto de Faro vai ser ampliado e remodelado, numa obra que vai custar 130 milhões de euros.

O projecto foi esta manhã apresentado pelo ministro das Obras Públicas.


Video aqui :http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=388503&tema=29

"...O contrato da primeira empreitada daquele projecto, que consiste na ampliação e remodelação das áreas operacionais e se iniciará no próximo mês com conclusão prevista até 2013, foi também assinado hoje.
Na primeira fase está previsto um aumento da segurança operacional com a implementação do sistema ILS (Instrument Landing System) em mais uma pista, dotando-a de condições mais seguras para aterragem de aeronaves.
A faixa de segurança da pista será ainda alargada para Sul, estando ainda previstas a criação de cerca de dez novas posições de estacionamento para aviões para permitir um aumento do movimento das aeronaves.
Numa segunda fase, que se estenderá entre 2011 e 2013 será dada prioridade à remodelação do terminal de passageiros - com novas áreas públicas e comerciais -, e acessibilidades terrestres.
A estrutura, inaugurada em 1965, tem capacidade para cerca de 6 milhões de passageiros por ano e recebe anualmente 5 milhões, sendo um dos objectivos das obras elevar esse número para 8 milhões.
A remodelação do aeroporto inclui ainda a construção de um hotel na zona circundante à estrutura, cujo objectivo é aumentar a capacidade do aeroporto para atrair novas companhias e rotas..."

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

PELO ENTERRAMENTO IMEDIATO DOS CABOS DE ALTA TENSÃO DOS CALIÇOS!


[A+tensão1.JPG]
esta imagem vale mais que mil palavras...



Prometida a execução do enterramento dos cabos da Estação de Alta Tensão da EDP, na zona dos Caliços, por trás do EMA (antigo Lidl), feita de forma pública na imprensa, no caso o Jornal "Correio da Manhã", acontece que até hoje, os cidadãos desta área ainda desconhecem a calendarização das referidas obras.


Na ocasião, debaixo da pressão da população e dos comerciantes sobre o imcumprimento das promessas de fazer os parques de estacionamentos, o presidente fez publicar uma nota de imprensa onde falava demagogicamente na construção de "mais 1500 lugares", depois de executada a obra de tranferência da Estação e enterrados os cabos que têm efeitos nocivos sobre a saúde e bem estar da população.

Cansados de esperar e sem noticias da Câmara, os cidadãos resolveram organizar-se e denunciar a situação, o que aconteceu num dos prestigiados blogues, o "Algarve Reporter", pela mão de um cidadão/morador de nome P. Santos.

Mais do que solidariedade para com os cidadãos desta parte da cidade, porque a gravidade deste problema assim o exige, esta deve ser uma reivindicação de todo o Concelho e o FORUM ALBUFEIRA, como uma das suas vozes, associa-se na exigência de uma solução urgente.

Está em causa o cumprimento da legislação sobre a presença de alta tensão nas proximidades de habitações e a questão da saúde pública, que não estão a ser respeitadas.

Até ao seu integral cumprimento, ainda que o parque faça parte de uma segunda etapa, o FORUM ALBUFEIRA, não mais abandonará o assunto e coloca-se ao lado da população dos Caliços.


FORUM ALBUFEIRA

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

PROPOSTAS DE AJUDA À POPULAÇÃO E ÀS EMPRESAS!



há uma multidão à espera


O FORUM ALBUFEIRA, tem seguido com atenção a evolução dos números da crise económica e financeira que o País e a Região algarvia atravessam, bem como as reacções e medidas que vão sendo tomadas nos diferentes Concelhos do Algarve.

Nos 16 Concelhos algarvios as reacções são diferentes, agem por conta própria e a sua organização central, a CIA/AMAL, não teve qualquer opinião pública sobre esta matéria que domina a actualidade da vida dos portugueses.

O Algarve é uma região altamente exposta à agressividade da crise, estamos longe da abertura da época balnear e os sinais têm uma expressão muito preocupante, dito por presidentes de Câmara, que entretanto tomaram já medidas concretas de criação de Gabinetes de conhecimento e acompanhamento dos problemas dos seus munícipes.

Portimão, Vila Real de Santo António e agora Faro, numa atitude realista de não esperar para ver, avançaram para medidas concretas. O ano eleitoral coincide com a crise, mas estes autarcas preferiram as decisões e as más interpretações, ao imobilismo.

O FORUM ALBUFEIRA, ciente da necessidade urgente de responder às muitas situações existentes no Concelho, já afirmou publicamente o seu apoio à moção da ACOSAL, apresentada ao presidente da Assembleia Municipal e que convida os Partidos ali representados a tomarem medidas.

Sendo o Concelho de Albufeira o mais rico do País e o que tem as taxas mais elevadas sobre os seus munícipes e empresas, tendo um orçamento milionário de 93 milhões e mais 30 milhões em depósitos bancários, é altamente atentatório da dignidade da população a vida sumptuária da Câmara e a sua distracção sobre os problemas. O mesmo para os Partidos com assento na Assembleia Municipal, que devem reparar na vida e necessidades dos seus eleitores!

Os cofres da Câmara têm os recursos financeiros para as respostas. A vontade é que parece adormecida.

O tempo urge, esclarece e não perdoa os distraídos!


FORUM ALBUFEIRA

PELA REVOGAÇÃO DA PORTARIA 143/2009, QUE LESA OS PESCADORES DESPORTIVOS!



Lagos, domingo passado, pescadores desportivos em manifestação


O Governo PS/Sócrates, mesmo num cenário de crise social, resolveu aprovar, por proposta do PNSACV (Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina) e do ICNB (Instituto de conservação da Natureza e Biodiversidade), a Portaria 143/2009, que impõe restrições à pesca artesanal na zona daquele Parque.


A pesca artesanal, é uma actividade lúdica e uma das bases de sustento e equilíbrio financeiro de muitas famílias daquela área em particular e de muitas outras em todo o Algarve.

A pesca artesanal não representa qualquer perigo para a reprodução das espécies, pelo que não há base científica para esta medida injusta e impopular!


FORUM ALBUFEIRA

A CADEIRA LUÍS XV

(Com o pedido de desculpas aos nossos leitores e ao José Simões, voltamos a publicar o seu texto, agora na íntegra, uma vez que lhe roubámos dois parágrafos e defraudámos o seu valor.)



O mobiliário que mais agrada à maioria dos políticos, deve ser a cadeira Luís XV, tanto pela cadeira que, verdade se diga, é um dos mais antigos símbolos do Poder, como pelo próprio Luís XV, que o personificou em si mesmo…

O Poder, portanto…

Droga pesadamente viciadora, o Poder altera, normalmente, o comportamento dos indivíduos, num ápice. Tornado poderoso, o seu detentor, outrora pessoa decente, converte-se, frequentemente, num “junkie”, sempre à procura de mais e dele absolutamente dependente. Injectado pela droga do Poder, o “agarrado” começa a ter visões, confundindo aqueles que lho outorgaram com cãezinhos amestrados, de quem espera que lhe vão comer à mão. Incapaz de raciocinar numa base correcta, inverte os termos do mandato, e assume-se detentor de uma coisa que lhe não pertence, e para a qual foi apenas mandatado; na sequência, torna-se paranóico, e abusa da força para retaliar os fantasmas que lhe rondam como inimigos a mente febril. Ébrio pelo Poder, nas ressacas é assolado por amnésias frequentes, e conduz os seus actos no sentido exactamente contrário àquele que um dia prometeu... Rodeia-se de sabujos e de servos, seja na corte, seja fora dela: o negócio é a arma do silêncio… Dá-se ares de majestade. Aprende a articular os fonemas difusos de um dialecto extraterrestre, cujos termos não constam do dicionário e que, de facto, não significam absolutamente nada, mesmo depois de um esforço de tradução. Utiliza a burocracia de diligentes serviçais, dirigentes dos serviços, para manter distâncias, através de uma panóplia de truques “regulamentares” ao seu dispor. Sem limitação de mandatos, o mais certo seria converter-se em quadrúpede, dado manter o “background” de ignorância pré-primária sobre as matérias da cultura, pelas quais nutre um desprezo sobranceiro, em nome do pragmatismo político “pró-activo” e da “tecno-porcaria”, o que ajuda a completar-lhe o perfil, afinal, com a chaga cultural do subdesenvolvimento.

Esperar que este animal político tombe da cadeira, por distracção, enfado ou sonolência, não é aconselhável. Recomenda-se que o Povo volte a utilizar as ferramentas com que construiu a cadeira, para agora a desarticular, de modo a facultar ao fulano um “bate-cu” sem amnésias, diria mesmo inesquecível…

Para depois, podermos construir, finalmente, um assento democraticamente adequado.

Blogue “Da Luz & Da Sombra”, de jesimoes

em http://blogueluzesombra.blogspot.com

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

MIGUEL PORTAS, DEPUTADO DO BE, VISITOU OBRAS POLIS/CÂMARA EM ALBUFEIRA



o professor Hermano Saraiva seguiu o roteiro da encomenda e não viu o óbvio


Na passada sexta-feira, o deputado do Bloco de Esquerda, Miguel Portas, esteve em Albufeira com a intenção objectiva de se inteirar do curso das obras do Programa Polis/Câmara e reunir com duas das Associações empresariais com sede na cidade, a AHETA e a ACOSAL.

O deputado, que revelou grande atenção aos testemunhos de populares, sobre os impactos que as obras Polis/Câmara tiveram nas suas vidas, onde não faltaram relatos sobre as inundações, ficou sensibilizado com a tristeza e o sentimento de perda provocada pela descaracterização de alguns traços históricos da baixa da cidade.

Também pôde constatar o estado de degradação dos materiais e a maneira displicente como foram gastos muitos milhões sem que os objectivos do Programa Polis/Câmara, tivessem sido cumpridos.

Sobre as obras em curso no cais e na bateria, com a construção dos emissários, ouviu com atenção os comentários de pescadores e populares e as suas preocupações de que podem provocar movimentos de areias com efeitos negativos sobre as praias e que com as marés mais fortes os detritos sujos que vão continuar a correr no caneiro da ribeira, podem voltar para a rebentação e areal.

O deputado partiu bastante preocupado com o que viu e ouviu. Este tema ainda tem muito para contar!

Os que cá ficamos com o desencanto às costas, lamentamos que quer o Executivo, quer o deputado líder da oposição em Albufeira, que representam os Partidos que arquitectaram este desperdício, PSD e PS, se mantenham no silêncio quanto às implicações deste Programa.

Independentemente do Partido que representa, goste-se ou não, o que conta para a população de Albufeira, é que o deputado Miguel Portas, foi o único a deslocar-se a Albufeira com o propósito de conhecer a relação custo/benefício do Programa e a dimensão do descontentamento popular.

Esta visita, ocorre no mesmo momento em que a Câmara Municipal, com o dinheiro do erário público, faz exibir um programa televisivo da autoria do Professor Hermano Saraiva, onde se afirma que o Executivo faz um grande esforço para preservar “a traça da antiga vila” e que vivemos numa “cidade de grande pujança e progresso”.

O professor Hermano, que não vive cá e veio fazer a encomenda, é que sabe, mesmo que o presidente da ACOSAL o tivesse abordado para lhe mostrar a perspectiva popular, que não quis ouvir.

De facto temos poucas pessoas que nos queiram ouvir! Até quando?


FORUM ALBUFEIRA

domingo, 15 de fevereiro de 2009

A CRISE PODE SER DRAMÁTICA PARA O ALGARVE TURÍSTICO! PSD, PS e CDU TÊM ASSENTO NA ASSEMBLEIA! QUEM TOMA DECISÕES?



O FORUM ALBUFEIRA, pela evolução perigosa dos indicadores macro e micro económicos do conjunto da sociedade portuguesa, tendo consciência das suas implicações no sector turístico e em particular no Algarve e Albufeira, associa-se à exigência da ACOSAL, de criação de um Gabinete de Crise, para fazer o levantamento das situações mais prementes da população e actividades económicas, com vista a ajudar na sua solução.

Os nossos problemas a Sul cabem nos problemas mais gerais do País mas, têm uma especificidade que carece de respostas localizadas, de apoio aos desempregados e às famílias, mas também à sobrevivência das muitas micro e pequenas empresas, que estão a passar por dificuldades e que de certeza as vão ver agravadas.

Muitas, as que não tiverem viabilidade económica, cairão forçosamente, por erros acumulados, mas a maior parte das micro e pequenas, que são o sustento de muitas famílias de patrões e empregados, têm de ser ajudadas.

As soluções passam pelos programas de base governamental, mas nunca nos níveis de exigências do Modcom e PME III, que estão deslocados da realidade e das consequências de uma quebra considerável do Turismo.

As Autarquias, como órgãos de poder de conhecimento próximo das pessoas e das empresas, têm uma papel indispensável a desempenhar, preparando os instrumentos organizativos, que não se podem confinar às tradicionais respostas pontuais.

O Gabinete de Crise, que inclua todas as organizações sociais e empresariais do Concelho, é uma necessidade urgente.

Os Partidos, sem excepção, têm de agir, e aos que têm assento na Assembleia Municipal, CDU, PS E PSD, solicitamos que na próxima sessão ordinária que terá lugar ainda este mês de Fevereiro, assumam o seu papel de intervenientes na sociedade e que proponham e aprovem a formação deste Gabinete de Crise.

A gravidade da situação não dá muita margem para erros, e os empresários e a população estão muito atentos a todos os sinais e acções das instituições com responsabilidades no terreno.


FORUM ALBUFEIRA

O BANCO NESTE ESTADO TEM MAIS DE UM ANO!


PIADA DA NOITE... NÃO TENHAM PESADELOS.

Descodificaram
o nome
SOCRATES




Acaba de me
chegar às mão um estudo efectuado por cientistas


portugueses
que descodificaram o nome SOCRATES .


Eis
as conclusões do estudo:




Salazar

Outrora

Caiu;

Regressou

Agora

Transformado

Em

Socialista

VAMOS FALAR CLARO!

O Governo, tem tomado mais medidas propagandísticas do que eficazes. Em vez de olhar para as necessidades da base da pirâmide, olhou para o vértice e não soube separar o trigo do joio.

Entendeu que devia dar um sinal positivo à Banca e à confiança no mercado financeiro, e com o dinheiro do esforço nacional, injectou-o em Bancos falidos e irresponsáveis. Começou mal.

Olhou para as empresas e negócios e renovou velhos mecanismos elitistas e filtradores, sem entender que tem de responder a uma epidemia e não a uma doença de regime.

A crise que não atingiu o apogeu, vinha corroendo a actividade económica e são raras as empresas que respiram saúde. A imensa maioria, contraiu mazelas com o fisco, a segurança social e a banca, que são factores limitadores de acesso às ditas ajudas do Governo.

Muitas destas mazelas, devem-se às políticas sugadoras praticadas por todos os Órgãos do poder, Governo e Autarquias, através de impostos cada vez mais altos e uma total pouca vergonha em pagar as suas dívidas.

O Governo adia devoluções de impostos e a maior parte das Autarquias tem dívidas de anos. O Estado sanguessuga e despesista, a coberto do interesse nacional, espoliou o sector privado e a população trabalhadora e para ajudar objectivamente o tecido empresarial sustentador das cidades, vilas e aldeias, no curto prazo, tem de pagar o que deve e de alargar os critérios de acesso ao crédito.

Pelas sua dependência do Turismo, o Algarve, para além dos efeitos nefastos da crise, tem outro problema estrutural, a sazonalidade, cuja gravidade não entrou na compreensão do Governo e das Autarquias.

Na realidade, só é entendida pelas micro, pequenas empresas e trabalhadores, que a sofrem na pele. Os trabalhadores passam mal nestes longos meses e os empresários vão à Banca empenhar os insuficientes rendimentos do Verão. Daí as mazelas que este Governo finge não perceber, ao montar inadaptados dispositivos de créditos.

É também desta realidade que falo, quando afirmo que o Algarve anda à deriva. E se fazem falta as variantes ao Turismo, precisamos das medidas certas para o momento!

Luis Alexandre

presidente da ACOSAL


Comentário:


Anónimo antónio cerdeira disse...

A estruturação do mundo, na dependência dos mecanismos do capitalismo moderno, conduzirá ao anátema das crises cíclicas, entre períodos de grande crescimento das economias.

Os ideólogos de Economia, são incentivados e pagos para conceberem processos que refinem os mecanismos de maximização do lucro, até poderão alertar para alguns aspectos mais selvagens da sua aplicabilidade, mas o capital nunca olha para trás e como é ele quem mais ordena, ultrapassa os limites do risco reduzindo à insignificância quaisquer supervisores que se atravessem no caminho.

Falo dos Bancos Centrais e dos Governos, que têm os instrumentos políticos por legitimidade popular e não os usam.

A economia mundial tremeu nos anos 80, voltou a tremer nos anos 90 e adivinhava-se com os novos instrumentos financeiros entretanto refinados e apoiados nos lucros colossais gerados pela globalização e o aparecimento do furor consumista de muitos milhões de pessoas dos países emergentes, que a crise seguinte poderia, como se está a provar, ter uma dimensão devastadora.

Para os Países pequenos, como Portugal, que assentam o desenvolvimento da sua economia em investimentos estrangeiros com ou sem rosto e no incentivo ao consumo e ao endividamento, partindo o mau exemplo do próprio Estado e das empresas da sua órbita, uma crise nos principais mercados de absorção do que aqui se produz, terá consequências dizimadoras de sectores inteiros e coloca-o numa dependência que pode pôr em causa a independência nacional.

A palavra crise vai andar nas nossas bocas e nas nossas vidas por alguns anos.

Esta é bastante grave e depois da sua negação pelo Governo Sócrates, as medidas até agora tomadas não param a hemorragia dos encerramentos e da redução drástica dos rendimentos das famílias, que se vão abater em força sobre a actividade turística, da qual dependemos mais ou menos 3/4 da população do Algarve.

Os hoteleiros fizeram um primeiro aviso ao Governo e os sectores da restauração, comércio e serviços rapidamente vão-se fazer ouvir.

Não querendo ser tomado como alarmista e com convicção, também partilho da opinião do autor do texto, que o Governo ainda não percebeu as particularidades da Região algarvia e o carácter urgente dos apoios que têm de ser dirigidos à protecção das empresas e do emprego e no apoio aos inevitáveis desempregados e às famílias.

Atrevo-me a adiantar a minha ideia, que este é o momento, antes da época balnear para que as empresas se possam reestruturar e assegurar os empregos que vão gerar o dinheiro para o longo Inverno.

Nenhuma medida de apoio à actividade turística resultará se não tivermos clientes, o que coloca responsabilidades acrescidas nos ombros do Governo que já deveria ter iniciado uma campanha promocional do País e em especial do Algarve.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

O AMIGO MACÁRIO AJUDA O AMIGO DESIDÉRIO!




O velho hábito de debitar à distância elogios sobre o trabalho de colegas de Partido de outros Concelhos, fica mais uma vez expresso, no nota jornalística do "CM", que o sr. Macário Correia fez publicar hoje, sábado.


Inventar prestigio junto dos eleitores de outros Concelhos, sobre o trabalho de um em concreto, também cativa prestígio para o candidato desse Concelho. Quem lê os elogios, mete na cabeça uma opinião que pode não corresponder à verdade. Os candidatos dos Partidos fazem esta troca de galhardetes na perfeição, sabendo dos bons ventos que proporcionam de volta.

No caso concreto e transcrevemos a nota do "CM" na íntegra, o sr. Macário Correia diz que Albufeira fez, "arranjos, calçadas, zonas pedonais, equipamentos de lazer e áreas verdes bonitas".

O sr. Macário Correia, está convidado pelo FORUM ALBUFEIRA, para vir mostrar tudo isso à população de Albufeira.

Notícia "CM": rúbrica "QUINTAS DO ALGARVE"

"Tomemos alguns exemplos de como se gere os espaços públicos, em especial junto do mar e dos canais da Ria Formosa: Monte gordo, Santa Luzia, Fuzeta, Parque Ribeirinho de Faro, Quarteira, albufeira ou Portimão. Escolhemos sete situações. Seis delas têm em comum o facto de terem feito arranjos, calçadas, zonas pedonais, equipamentos de lazer e áreas verdes bonitas. A outra é Faro. Tem um abandono total. As árvores por limpar, a erva com um metro de altura, os candeeiros apagados e os bancos sem conservação. Gastou-se tanto dinheiro público para quê? Normalmente estão lá três burros pastando. Pessoas a passear não há. Até é perigoso. Onde está a diferença?
Uns fazem, outros falam."


Que tal a prosa? Em albufeira não se gastou mal o dinheiro, não há luzes apagadas e bancos por arranjar? Quantos quer, acabados há dois anos? E os espaços verdes bonitos onde ficam? Está-se a referir aos campos de Paderne a 8 Km?

Conversa eleitoral é fogo!


FORUM ALBUFEIRA

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

NÃO BATE O BOTA COM A PERDIGOTA

O veto da Drª Manuela Ferreira Leite à candidatura do Dr. Gonçalo Amaral, à Câmara Municipal de Olhão, não foi mais do que tomar uma decisão de grande dignidade para com os militantes de base do Algarve que pode ter reflexos para as restantes candidaturas do PSD em todas as eleições que se realizam no ano de 2009, que vão das Europeias, Legislativas e Autárquicas, não só no Algarve, mas para o restante País. A classe politica profissional está completamente desacreditada, são necessárias outras politicas e novas caras para que os cidadãos voltem a acreditar nos políticos, respondendo positivamente à chamada das urnas, sob pena da abstenção subir para numeros superiores a 50% dos eleitores, pondo em causa qualquer possibilidade governativa, como avisava o Dr. Mário Soares, prevendo que em 2009, Portugal se torne ingovernável. Há que ter respeito pelos militantes de base, são eles os depositários da soberania partidária, dando corpo e alma aos Partidos que são absolutamente indispensáveis nos regimes ditos democráticos.

A possível candidatura de Gonçalo Amaral, sorrateiramente imposta à revelia dos militantes, aliás, como são quase todas elas, cozinhadas nos gabinetes dos iluminados, não se justifica de modo algum, a não ser que sejam revelados factos suficientes que a credibilizem e que possam ser discutidos nos órgãos próprios que são as assembleias gerais de militantes que devem nos termos da lei ser convocados para se pronunciarem, levantando as suas duvidas e afirmando os seus critérios políticos pessoais, contribuindo para o apuramento das melhores soluções, sobretudo para o Concelho de Olhão da restauração, um feudo do Partido Socialista com mais de 30 anos. Nas Câmaras Municipais de Olhão, Lagos, Portimão e Faro, que são das principais do Algarve e que estão na mão do Partido Socialista há vários mandatos, as candidaturas do PSD têm de ser muito fortes, muito ponderadas e encabeçadas por pessoas de grande valia politica, intelectual, profissional e cívica de modo a que não haja a menor suspeita da sua competência, conhecimentos e rigor. A não ser assim há que contar com o alheamento dos cidadãos que estão fartos de enganos.

Pelo que consta a previsível candidatura à Câmara Municipal de Faro, liderada pelo Eng Macário Correia, é uma aposta consistente, credível e com alguma possibilidade de vitória. Mas, a margem de manobra é curta e o Eng Macário Correia corre o risco de não ganhar Faro e o PSD, perder a Câmara Municipal de Tavira, onde se tem feito um bom trabalho. A recandidatura do Dr. José Apolinário, do PS, tem algumas possibilidades sérias de vencer, atendendo que o seu mandato tem sido pacífico, tendo herdado uma situação calamitosa, como já a havia herdado o Dr. José Vitorino. É natural que o Dr. José Vitorino, se apresente novamente ao eleitorado farense, repetindo a candidatura de 2005, mas agora de forma puramente independente, sem o apoio partidário do PSD. Tal facto irá baralhar as contas visto que parte dos eleitores do PSD e mesmo os do CDS votarão Vitorino, favorecendo a candidatura do actual Presidente. Este cenário a concretizar-se prejudicará a candidatura do Eng Macário Correia, com a agravante de o PS, apresentar para Tavira um candidato quase imbatível, se se confirmar a falta de comparência do Eng Macário na sua terra.

Os Partidos devem discutir com os seus militantes e aprovar as linhas mestras que conduzam à escolha dos melhores para governar as Freguesias, os Concelhos, os Distritos, o País e enviar para Bruxelas, deputados que não envergonhem Portugal e que defendam as causas nacionais sem subterfúgios, nem servilismos para com o capitalismo selvagem e uma globalização insensível e criminosa que se impõe pelo poder dos maiores países, com graves prejuízos para os mais pequenos, mais pobres e de fracos recursos. Nas Câmaras Municipais que o PSD governa no Algarve, os critérios têm de ser mais rigorosos para que não mudem de mãos como poderá acontecer em Albufeira, no caso da recandidatura do actual Presidente, que como diz a Comunicação Social nacional não tem sabido administrar este concelho, com graves erros de palmatória, falsas promessas, acordos não cumpridos e o mais que lá para a frente se revelará...

A situação na Câmara Municipal de Silves, não é melhor do que a de Albufeira, antes pelo contrário. É um concelho que se tem perigosamente super endividado, com três mandatos já vencidos, muito problemáticos, com processos judiciais e com pouca credibilidade para uma recandidatura que por lei será a ultima da actual Presidente, assim como a de Albufeira caso se venham a confirmar. Era bastante oportuno o PSD/Algarve, apresentar novas candidaturas nestes dois Municípios, encontrando novas soluções para velhos problemas que podem resultar na perda inevitável destes dois concelhos que são dos mais emblemáticos da região algarvia. Deve a Drª Manuela Ferreira Leite e a Comissão Politica nacional do PSD estar atenta a todas as candidaturas e atalhar em todos os sititos onde as regras democráticas de audição das bases não sejam respeitadas e outras possíveis candidaturas tipo Gonçalo Amaral, que não combinam a bota com a perdigota.

MANUEL AIRES

manuel.j.c.aires@gmail.com

http://manueldecastroverde.blogspot.com